Baseado em evidências

CBD e SII: Pesquisa e Compreensão Atual

A síndrome do intestino irritável (SII) é uma condição médica comum e debilitante com poucas opções de tratamento disponíveis. Recentemente, O CBD vem crescendo em popularidade como uma nova opção de tratamento para a SII. Neste artigo, vamos falar mais sobre como ele funciona.

Artigo escrito por
Justin Cooke , postado a 2 semanas atrás

A síndrome do intestino irritável (SII) não apresenta risco de vida, mas pode afetar seriamente a qualidade de vida das pessoas afetadas.

Aproximadamente 1 em cada 10 pessoas no mundo desenvolvido tem sintomas consistentes com SII [3].

Apesar de ser muito comum, a SII não é bem compreendida. Como resultado, existem poucas opções efetivas de tratamento disponíveis.

De longe, o melhor tratamento para a SII é uma mudança de dieta. Existem poucos tratamentos farmacológicos para a condição que vão além de gerenciar sintomas e efeitos colaterais.

O CBD, no entanto, oferece uma opção única para as pessoas que enfrentam a SII e, por vários motivos, vem crescendo em popularidade como uma opção de tratamento para esta condição.

Neste artigo, nós veremos como o CBD oferece suporte a um diagnóstico de SII, como usá-lo e como obter o máximo de seus efeitos positivos.

  • Tabela de Conteúdo

Resumo do Uso de CBD para a SII

Existem muitas causas possíveis para a SII, mas muito do que desencadeia a condição permanece desconhecido. A maioria dessas causas aponta para uma perda de equilíbrio no trato digestivo – o que significa que o equilíbrio cuidadosamente orquestrado envolvido na digestão, absorção, defesa imunológica e excreção é comprometido.

O CBD (abreviação de canabidiol) ajuda com este problema porque serve como um meio para “calibrar” diferentes partes do corpo. Ele faz isso ao melhorar a comunicação entre as células através de um sistema chamado sistema endocanabinoide.

O CBD pode ajudar com a SII das seguintes maneiras:

  • Adereçando deficiências de anandamida [13]
  • Diminuindo a inflamação [7, 8]
  • Inibindo a hiperatividade do músculo digestivo e as cólicas [5, 6]
  • Diminuindo o apetite [9]

O CBD afetará a condição de forma diferente dependendo da forma de SII presente.

Os casos de SII com diarreia são suscetíveis de experimentar mais benefícios com o CBD porque a cannabis retarda a contração muscular no trato digestivo.

Os casos de SII que apresentam constipação ainda podem encontrar benefícios no CBD devido às suas propriedades anti-inflamatórias, inibidoras de apetite e imunoestimulantes.

Vamos falar sobre as diferentes formas de SII e como o CBD é usado em seu tratamento mais à frente.

Maximizando os Efeitos do CBD para a SII

O CBD não deve ser utilizado sozinho para tratar a SII, pois esta condição é altamente complexa e envolve múltiplos sistemas de órgãos.

Outras formas de tratamento, incluindo mudanças na dieta e atividade física, são essenciais. Se essas coisas não forem alteradas, o CBD provavelmente não terá efeito algum.

Você pode pensar no CBD como um motorista de táxi – ele direcionará o veículo e seus ocupantes para o destino certo, mas eles não poderão chegar se o carro não tiver uma boa manutenção nem combustível.

O CBD é melhor utilizado como uma ferramenta para ajudar a aliviar os sintomas desconfortáveis ​​da SII e empurrar o corpo de volta à homeostase (equilíbrio).

Que Forma de CBD Devo Usar?

O CBD vem em todas as formas diferentes. Você pode comprar óleos, tinturas, cápsulas, supositórios e isolados.

Quando se trata de SII, as opções mais populares são óleos, cápsulas e supositórios.

Os óleos e cápsulas de CBD são fáceis de tomar, de armazenar por longos períodos de tempo e podem ser dosados ​​com precisão.

Os supositórios têm o benefício de entregar o CBD diretamente à área afetada. Isso é melhor para a SII-D grave (mais sobre isso abaixo), mas também pode beneficiar outras formas de SII.

Quanto CBD Devo Tomar?

Dosar o CBD pode ser um desafio porque ele afeta cada pessoa de forma diferente.

Algumas pessoas tomam 50 mg de CBD por dia, enquanto outras precisam de mais ou de menos.

A dose também depende da forma de CBD que você toma. Os óleos e supositórios de CBD são os mais populares para pessoas com SII, mas a dose para cada um é muito diferente.

Se for usar óleos ou cápsulas, a melhor maneira de encontrar uma boa dose inicial é ler o nosso guia de dosagem de óleo de CBD.

Aqui está um gráfico para começar com base no peso, potência desejada e mg de CBD:

Peso (kg)Potência BaixaPotência MédiaPotência Alta
4510 mg30 mg60 mg
5613 mg38 mg75 mg
6815 mg45 mg90 mg
7917 mg52 mg105 mg
9020 mg60 mg120 mg
10222 mg67 mg135 mg
11325 mg75 mg150 mg

Para a SII, recomendamos começar com a potência baixa e aumentar lentamente para ver como você reage ao CBD individualmente.

Provavelmente levará cerca de duas ou três semanas de uso regular de CBD antes que você comece a perceber quaisquer benefícios reais para essa condição.

Ao usar supositórios de CBD, é melhor seguir as instruções específicas listadas pelo fornecedor na embalagem. As concentrações podem variar muito entre supositórios de CBD.

O que Exatamente é CBD?

CBD significa canabidiol. Ele é um dos principais canabinoides da planta de cannabis.

A maioria dos óleos de CBD no mercado hoje vem da planta de cânhamo (Cannabis sativa), que é uma variedade de cannabis que naturalmente tem pouco THC – o principal canabinoide psicoativo.

Isso significa que a maioria dos produtos de CBD no mercado não tem efeitos psicoativos.

O CBD é usado como um suplemento de saúde para uma ampla gama de condições médicas. Ele deve muito de sua capacidade de apoiar a saúde ao seu envolvimento com um sistema encontrado naturalmente no corpo humano, chamado de sistema endocanabinoide.

O sistema endocanabinoide regula a homeostase no organismo. Isso inclui os sistemas imunológico, digestivo, neurológico, musculoesquelético e tegumentar (pele).

O que é Síndrome do Intestino Irritável (SII)?

A síndrome do intestino irritável é classificada como uma síndrome, não como uma doença. Isso significa que ela é um conjunto de sintomas que não podem ser vinculados a uma causa específica.

A SII pode ser resumida como uma “disfunção generalizada do trato digestivo”.

Os sintomas envolvem inchaço, dor abdominal, indigestão e alterações nos movimentos intestinais (constipação ou diarreia podem ser graves).

Os sintomas da SII são muito semelhantes aos da doença inflamatória intestinal (DII). A diferença é que a DII apresenta inflamação  presente no trato gastrointestinal, comprovada com testes de laboratório e câmeras especiais inseridas no trato digestivo.

Se nenhuma inflamação for encontrada para ratificar o diagnóstico de DII, então se tem um diagnóstico de SII.

Existem alguns critérios diagnósticos colocados em prática, mas nenhum deles é conclusivo e nem todos os médicos usam todos eles para fazer um diagnóstico de SII.

Os critérios mais populares que os médicos costumam usar são os chamados Critérios de Roma III.

Diagnóstico de SII: Lista de Verificação dos Critérios de Roma III:

Para receber um diagnóstico de SII, o paciente deve apresentar os seguintes sintomas:

  1. Dor ou desconforto abdominal recorrente pelo menos 3 dias por mês durante 3 meses
  2. Sintomas que envolvam pelo menos duas das seguintes características:
  • Melhoria dos sintomas com defecação
  • Início associado a uma alteração na frequência de evacuação
  • Início associado a uma alteração na forma das fezes

Se estes critérios forem satisfeitos e nenhuma outra explicação para a sua causa for encontrada (como inflamação, lesão traumática ou doença infecciosa) o paciente é diagnosticado com SII.

Sintomas da Síndrome do Intestino Irritável:

  • Náusea
  • Dor abdominal
  • Gás, inchaço
  • Sensação de “estar cheio”
  • Constipação/diarreia
  • Muco nas fezes
  • Urgência incontrolável para ter uma evacuação
  • Fadiga
  • Ganho/perda de peso

Os 3 Tipos de SII e Como o CBD os Afeta

Entre 20-50% das visitas a um gastroenterologista terminam em um diagnóstico de SII [3], fazendo dela o distúrbio funcional do sistema digestivo mais comum.

Os gastroenterologistas classificam a SII de acordo com os sintomas mais predominantes:

1. SII-D

Refere-se à SII apresentada primariamente com diarreia.

Os sintomas da SII-D indicam que os intestinos estão se enchendo de água, o que aponta para causas como alimentos com alto teor de sal, membrana intestinal fraca e atividade muscular hiperativa no trato digestivo.

Os alimentos com alto teor de sal no trato digestivo e o controle inadequado da membrana fazem com que a água comece a se acumular nas áreas cheias de alimentos salgados. Isso acontece por causa de um princípio em biofísica chamado osmose: o sal “puxa” a água aonde ele for. Como os intestinos se enchem de água, sintomas como a diarreia aparecem.

Além disso, muitos pacientes com SII-D experimentam atividade muscular hiperativa no trato intestinal. Quando os músculos se tornam espásticos, sentimos cólicas, dor abdominal e inchaço. O trato digestivo empurra o alimento excessivamente rápido – sem quebrá-lo e absorvê-lo devidamente. Em vez disso, os alimentos não absorvidos começam a fermentar no intestino grosso, causando inchaço severo, náusea e diarreia.

O CBD é útil para este tipo de SII porque pode reduzir a atividade muscular espástica no intestino, permitindo que ele digira e absorva a comida mais lentamente. Para este tipo de SII, é melhor combinar o CBD a uma dieta com baixo teor de sódio e boas fontes de fibra.

2. SII-C

SII-C significa SII apresentada predominantemente com constipação.

Este tipo de SII indica baixa atividade no trato digestivo. Neste caso, enzimas pancreáticas, bile e ácido gástrico podem estar sendo produzidos em baixas quantidades. Essas enzimas ajudam a quebrar nossos alimentos e estimulam o músculo liso que reveste nossos intestinos. Essa estimulação faz com que os músculos se expandam e contraiam, movendo a comida ao longo do trato digestivo.

Se algo está errado com a secreção de enzimas digestivas ou com os movimentos musculares no trato intestinal, tornando-os mais lentos, ficamos constipados.

Isso pode ser extremamente desconfortável, causando sintomas como inchaço grave, sensação de “estar cheio”, náusea, fadiga e distensão física da barriga.

Embora nada produza o mesmo nível de benefício que uma mudança na dieta, o CBD oferece alguns benefícios exclusivos para essa forma de SII.

Aqui, o CBD é mais útil graças à sua capacidade de aumentar a anandamida – um endocanabinoide de ocorrência natural responsável por retardar o movimento do intestino, combater a inflamação e controlar a diversidade do microbioma.

3. SII Alternada (SII-A) ou SII Mista (SII-M)

Esta forma de SII envolve ataques alternados de diarreia e constipação.

As causas potenciais deste tipo de SII são muito mais variáveis ​​e podem envolver fatores de ambas as SIIs. Durante vários meses, a pessoa pode sofrer de diarreia constante, seguida por vários meses de constipação grave. As mudanças repentinas na atividade intestinal podem ser devidas a fatores dietéticos, neurológicos ou imunológicos – tornando a causa difícil de isolar e tratar.

O CBD é útil para este tipo de SII porque não empurra a função digestiva em nenhuma direção específica. Em vez disso, ele melhora a capacidade do corpo de regular a homeostase. Juntamente com outras terapias para controlar os sintomas, o corpo tem uma chance melhor de retornar a um estado de saúde por conta própria. 

O que Causa a SII?

A causa exata da SII ainda não é compreendida – mas existem algumas teorias bem aceitas na comunidade médica.

Causas Suspeitas de SII Incluem

1. Dieta

Os países ocidentais, incluindo Canadá, Estados Unidos e Suécia, têm as maiores taxas de SII no mundo [11, 12]. Nos Estados Unidos, cerca de 1 em cada 10 pessoas sofrem de SII.

Estas nações frequentemente consomem dietas ricas em alimentos processados, que ​​costumam ter baixo teor nutricional (em termos de vitaminas, antioxidantes e minerais) e alto teor de calorias (na forma de gordura ou açúcar).

Quando consumimos estes alimentos, eles tendem a se mover lentamente através do nosso trato digestivo.

O movimento lento e o alto teor de açúcar fazem com que bactérias que vivem no trato digestivo fermentem o alimento. A fermentação neste contexto é ruim para nosso funcionamento digestivo – ela provoca inchaço, dor e alterações nos movimentos intestinais.

Um dos principais tratamentos dietéticos para a SII é a chamada dieta baixa em FODMAPS – que elimina esses tipos de alimentos da dieta e os substitui por alimentos ricos em fibras e com pouco açúcar.

A fermentação frequente de açúcares processados pode danificar a integridade estrutural do revestimento digestivo ao longo do tempo – levando ao acúmulo de líquido e diarreia (SII-D), ou à falta de movimento nos músculos dos intestinos causando constipação (SII-C).

2. Infecção viral

Infecções virais podem causar muitos danos ao corpo. Muitas pessoas relatam que seus sintomas de SII começaram logo após o surgimento de um problema estomacal no exterior. Depois de alguns dias de doença, eles pareciam estar melhorando, mas seu intestino nunca se recuperou completamente.

Os vírus atrapalham a função celular normal – sequestrando nossas células e forçando-as a fabricar mais vírus ao invés de trabalhar. Em pouquíssimo tempo, eles podem causar estragos em um órgão inteiro.

O revestimento digestivo é o lar de um complexo ecossistema de espécies de bactérias e fungos chamado microbioma. O microbioma está fortemente envolvido com a digestão e absorção de alimentos. Quando adoecemos com um vírus, isso pode causar mudanças drásticas no microbioma, deixando-nos com efeitos colaterais duradouros – como a SII.

3. Disfunção neurológica

O movimento do trato intestinal (chamado peristaltismo) é uma complexa orquestra de movimentos trabalhando juntos para mover a comida através do trato intestinal. Isso envolve uma rede nervosa precisa, tanto localmente quanto em colaboração com o cérebro.

Muitas pessoas descobrem que, quando bebem café, isso estimula o movimento intestinal. Esta é uma boa visualização de como o sistema nervoso afeta o trato digestivo.

Se o nosso sistema nervoso está em estado de estimulação constante, podemos desenvolver diarreia (SII-D).

Se tivermos o oposto (estímulo insuficiente), provavelmente desenvolveremos constipação (SII-C).

Com base na atividade neurológica, podemos comparar os tipos de SII com outros efeitos colaterais que frequentemente afetam os pacientes com SII.

Características Neurológicas da SII e Efeitos Colaterais Relacionados:
Atividade do Sistema NervosoEfeitos Colaterais Relacionados
SII-D Estimulado demais
  • Ansiedade
  • Transtornos de pânico
  • Insônia
  • Palpitações no coração
SII-C Não estimulado o suficiente
  • Fadiga
  • Depressão
SII-A Ou estimulado demais ou não o suficiente
  • Ansiedade
  • Transtornos de pânico
  • Insônia
  • Palpitações no coração
  • Fadiga
  • Depressão
  • Imunodeficiências

4. Inflamação

Embora a SII por definição não precise ter inflamação visível ou detectável, numerosos estudos mostraram que os portadores de SII possuem inflamação de baixo grau na parede intestinal [2]. Esta inflamação pode ser muito sutil para ser detectada com exames de sangue ou inspeção visual com colonoscopias/endoscopias.

Usando CBD para a SII

Em vários estudos, o CBD demonstrou ser benéfico no tratamento da SII.

Ao regular funções como o movimento do intestino (motilidade), a secreção de enzimas digestivas, os sinais de dor, inflamação, a saúde do microbioma e distúrbios neurológicos ou psicossociais, o CBD oferece benefícios extensos aos sintomas e às causas subjacentes da SII.

O Sistema Endocanabinoide e a SII

Acredita-se que o sistema endocanabinoide desempenha um papel crucial na SII [10].

Os receptores endocanabinoides CB1 e CB2 são usados ​​para regular diferentes processos no corpo humano – muitos dos quais estão presentes no trato digestivo.

(Fonte da imagem: Storr, et al., 2008 [10])

O CBD para Outros Distúrbios Funcionais

A SII é considerada um distúrbio funcional, o que significa que há um problema claro com a função do órgão, mas nenhuma causa aparente.

Outras condições que se enquadram nessa categoria são a fibromialgia e a síndrome da fadiga crônica – ambas as quais podem ser melhoradas com o uso regular de CBD. A natureza misteriosa dessas condições torna difícil identificar exatamente por que o CBD é tão útil para tratá-las – mas a provável explicação é o papel que o CBD desempenha na homeostase.

Homeostase é o processo que o corpo usa para manter o equilíbrio. Ela permeia virtualmente todos os aspectos da vida – da temperatura do corpo à secreção de enzimas digestivas. Qualquer problema com a homeostase pode afetar a nossa saúde negativamente.

O CBD serve como uma ferramenta útil para regular a homeostase e é por isso que esse composto tem tantos benefícios diferentes.

Conclusão: Usando o CBD para a SII

Embora a SII não seja bem compreendida e provavelmente envolva uma disfunção combinada de múltiplos sistemas de órgãos, hábitos de vida e dieta, o CBD oferece amplos benefícios para diferentes versões da condição.

É melhor usar o CBD na forma de um óleo, cápsula ou supositório para obter melhores resultados. Também é importante tomar o óleo de CBD por longos períodos de tempo para ver seus efeitos. O CBD pode demorar um pouco para começar a fornecer benefícios para essa condição, porque há muitos fatores envolvidos.

Através da suplementação persistente de CBD, mudanças na dieta e no estilo de vida – além de uma dose de perseverança –, os sintomas da SII podem ser forçados à remissão por longos períodos de tempo.

Referências

  1. Russo, E. B. (2008). Clinical endocannabinoid deficiency (CECD): can this concept explain therapeutic benefits of cannabis in migraine, fibromyalgia, irritable bowel syndrome and other treatment-resistant conditions? Neuroendocrinology letters, 29(2), 192-200.
  2. Sinagra, E.; Pompei, G.; Tomasello, G.; Cappello, F.; Morreale, G. C.; Amvrosiadis, G.; … e Raimondo, D. (2016). Inflammation in irritable bowel syndrome: Myth or new treatment target? World journal of gastroenterology, 22(7), 2242.
  3. Stamboldjiev, T. (2011). Management of Irritable Bowel Syndrome in Primary Care.
  4. Saito, Y. A.; Schoenfeld, P.; e Locke III, G. R. (2002). The epidemiology of irritable bowel syndrome in North America: a systematic review. The American journal of gastroenterology, 97(8), 1910-1915.
  5. Pertwee, R. G. (2001). Cannabinoids and the gastrointestinal tract. Gut, 48(6), 859-867.
  6. Hornby, P. J.; e Prouty, S. M. (2004). Involvement of cannabinoid receptors in gut motility and visceral perception. British journal of pharmacology, 141(8), 1335-1345.
  7. Ribeiro, A.; Ferraz-de-Paula, V.; Pinheiro, M. L.; Vitoretti, L. B.; Mariano-Souza, D. P.; Quinteiro-Filho, W. M.; … e Hallak, J. E. (2012). Cannabidiol, a non-psychotropic plant-derived cannabinoid, decreases inflammation in a murine model of acute lung injury: Role for the adenosine A2A receptor. European journal of pharmacology, 678(1-3), 78-85.
  8. De Petrocellis, L.; Orlando, P.; Moriello, A. S.; Aviello, G.; Stott, C.; Izzo, A. A.; e Di Marzo, V. (2012). Cannabinoid actions at TRPV channels: effects on TRPV3 and TRPV4 and their potential relevance to gastrointestinal inflammation. Acta physiologica, 204(2), 255-266.
  9. Mechoulam, R.; e Hanus, L. (2001). The cannabinoids: an overview. Therapeutic implications in vomiting and nausea after cancer chemotherapy, in appetite promotion, in multiple sclerosis and in neuroprotection. Pain Research and Management, 6(2), 67-73.
  10. Storr, M. A.; Yüce, B.; Andrews, C. N.; e Sharkey, K. A. (2008). The role of the endocannabinoid system in the pathophysiology and treatment of irritable bowel syndrome. Neurogastroenterology & Motility, 20(8), 857-868.
  11. Sperber, A. D.; Dumitrascu, D.; Fukudo, S.; Gerson, C.; Ghoshal, U. C.; Gwee, K. A.; … e Bolotin, A. (2017). The global prevalence of IBS in adults remains elusive due to the heterogeneity of studies: a Rome Foundation working team literature review. Gut, 66(6), 1075-1082.
  12. Lovell, R. M.; e Ford, A. C. (2012). Global prevalence of and risk factors for irritable bowel syndrome: a meta-analysis. Clinical gastroenterology and hepatology, 10(7), 712-721.
  13. Russo, E. B. (2016). Clinical endocannabinoid deficiency reconsidered: current research supports the theory in migraine, fibromyalgia, irritable bowel, and other treatment-resistant syndromes. Cannabis and cannabinoid research, 1(1), 154-165.

Condições que Podem Responder ao Canabidiol