Baseado em evidências

CBD e Câncer: Pesquisa e Compreensão Atual

Estudos têm demonstrado que o óleo de CBD pode ajudar a aliviar náuseas e dores, especialmente em pacientes com câncer. Então, como ele funciona e como deve ser tomado? O óleo de CBD pode realmente ajudar contra o câncer?

Artigo escrito por
Justin Cooke , postado a 2 semanas atrás

A cannabis vem sendo usada para fins medicinais há mais de 3000 anos.

Nos tempos modernos, ela está sendo usada por pacientes com câncer para reduzir os efeitos colaterais da doença e de seus tratamentos, como náusea e dor, e para apoiar o processo de recuperação.

Alguns países, como o Brasil, permitem o uso de cannabis medicinal para pacientes com doenças crônicas e dor relacionada ao câncer.

O óleo de CBD pode fornecer benefícios para pacientes com câncer? Aqui, discutiremos o que é o câncer e por que o principal canabinoide não psicoativo, o CBD, é tão útil para tratar essa condição.

  • Tabela de Conteúdo

O Que é o Câncer?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o câncer é a segunda principal causa de morte no mundo. Em 2018, estima-se que o câncer tenha contribuído para 9,6 milhões de mortes no mundo todo [1].

Há grandes chances de você ou alguém próximo a você ter enfrentado algum tipo de câncer.

Então, o que é o câncer?

O câncer ocorre quando as células do seu corpo se tornam disfuncionais, crescendo descontroladamente, danificando e invadindo os tecidos circundantes, muitas vezes se espalhando para outras partes do corpo (metástase).

A maioria dos cânceres começa em um órgão específico, chamado de sítio primário ou tumor primário.

Os tumores podem ser benignos (não cancerígenos) ou malignos (cancerígenos). Às vezes, as células cancerígenas se espalham de um tumor primário para outras áreas do corpo. Este processo se chama metástase. Elas entram na corrente sanguínea ou no sistema linfático e viajam para outros órgãos.

Muitos pacientes com câncer apresentam ainda mais náuseas e dor, e uma qualidade de vida significativamente pior, graças ao desenvolvimento de quimiorresistência (onde as células cancerígenas que previamente respondiam à terapia começam a crescer repentinamente) e à toxicidade adversa dos agentes quimioterápicos

Tipos de Câncer

O câncer não é uma doença única.

Existem mais de 200 tipos de câncer que afetam diferentes áreas do corpo.

Normalmente, o câncer é classificado de acordo com a origem do crescimento celular anormal, ou seja, onde ele começou.

Por exemplo:

  • Câncer de pele
  • Câncer de mama
  • Câncer colorretal (de intestino)
  • Câncer cerebral
  • Câncer de pulmão
  • Câncer de sangue (como leucemias, linfomas e mielomas)

Como o Câncer é Tratado

Após o diagnóstico, considerar todas as opções de tratamento pode ser uma tarefa muito difícil.

Existem vários tipos de tratamento contra o câncer. O tipo de tratamento necessário dependerá do tipo de câncer e do seu estágio, ou seja, quão avançado ele é.

O tratamento geralmente envolve várias abordagens diferentes ao mesmo tempo – quimioterapia, cirurgia, mudanças na dieta, radioterapia, imunoterapia ou terapia hormonal direcionada.

Infelizmente, estes tratamentos podem ter muitos efeitos colaterais negativos, como dor, náuseas e vômitos.

Como o CBD Ajuda Contra o Câncer?

Nos últimos anos, tem havido muitas evidências de que os medicamentos à base de cannabis podem fornecer um valioso alívio dos sintomas aos pacientes com câncer quando os tratamentos convencionais não forem bem sucedidos [2].

Segundo a Organização Mundial de Saúde, em seu estado puro, o óleo de CBD não causa danos nem tem potencial para abuso [3]. O uso de CBD em combinação com as drogas da quimioterapia pode ter um efeito sinérgico, onde eles trabalham juntos para potencialmente reduzir a dose de quimioterapia necessária, reduzindo assim a toxicidade, mas mantendo a eficácia dos medicamentos [4].

A maioria dos pesquisadores de CBD tem uma visão amplamente aceita de que existe um grande valor paliativo no uso de canabinoides para pacientes com câncer.

Até o momento, estudos científicos validaram os seguintes usos:

1. Aumenta a Capacidade do Sistema Imune de Localizar e Destruir Células Cancerígenas

A maioria das pessoas já teve células cancerígenas em seu corpo em um momento ou outro.

Normalmente, o sistema imunológico é capaz de identificar estas células logo no início e descartá-las.

Em alguns casos, no entanto, o sistema imunológico não vê as células cancerígenas, permitindo que elas cresçam livremente no corpo.

O CBD oferece um suporte exclusivo para este sistema, aumentando sua capacidade de procurar e destruir as células cancerígenas antes que elas cresçam o suficiente para serem detectadas por exames de laboratório.

Em pessoas com câncer, o CBD consegue ajudar o corpo a montar um ataque, estimulando as células natural killer e os linfócitos T [5]. Estas são as células do sistema imunológico que agem como assassinos de elite, procurando e eliminando as células cancerígenas e outras ameaças.

2. Diminui a Dor

Um dos principais efeitos colaterais debilitantes do câncer é a dor que ele provoca.

A dor é frequentemente causada pelo próprio tumor, que faz pressão contra os nervos, ossos e órgãos do corpo. Medicamentos de quimioterapia também causam dor como efeito colateral, muitas vezes com formigamento e dormência nos dedos das mãos e pés.

Isso faz com que o controle da dor seja um dos principais objetivos dos médicos que tratam pessoas com câncer.

O CBD é uma excelente opção para controlar a dor vivenciada pelos pacientes com câncer.

Há algumas evidências de que o óleo de CBD talvez possa oferecer alívio para a dor crônica – incluindo a dor neuropática (nervosa) induzida por quimioterapia medicamentosa [6] – sem produzir efeitos colaterais, mesmo em doses altas.

Ele age da mesma forma que um analgésico e alivia a dor em pacientes com câncer avançado mesmo quando os opioides não são eficazes [7].

3. Melhora o Sono

A dor crônica associada ao câncer, juntamente com outros efeitos colaterais como ansiedade e depressão, pode dificultar o sono dos pacientes.

O CBD pode ajudar com isso ao reduzir a dor e a ansiedade.

Quando a mente consegue se acalmar e a resposta à dor fica entorpecida, é muito mais fácil ter uma boa noite de sono. [8] E um sono de melhor qualidade também ajudará no processo de cura.

4. Aumenta o Apetite

Um dos principais efeitos colaterais do tratamento contra o câncer é a redução do apetite.

Um apetite saudável é de vital importância para suprir o corpo com os nutrientes necessários para promover a cura.

Se não comemos o suficiente, fica ainda mais difícil para o corpo combater o câncer; portanto, garantir que estamos comendo o suficiente é essencial.

Alguns estudos mostraram que o CBD aumenta o que chamaríamos de percepção quimiossensorial. Isso não só faz com que os alimentos tenham um sabor melhor, mas também aumenta a ingestão de calorias via proteína e o apetite global por meio do CBD [9].

O THC também tem mostrado oferecer melhorias significativas no apetite [13], então se você tiver acesso a um óleo de CBD com THC, ele vai ser sua melhor opção.

5. Diminui o Crescimento do Tumor

O principal objetivo do tratamento do câncer é impedir que os tumores cresçam e dar ao corpo a melhor chance de contra-atacar.

Foi demonstrado que o óleo de CBD inibe o crescimento de células tumorais e ajuda a impedir que elas se espalhem para outras áreas do corpo.

Em alguns pacientes, o uso de CBD levou à diminuição da taxa de crescimento e de invasão das células tumorais [5].

Isso dá ao corpo a melhor chance de recuperação.

6. Alivia Náuseas e Vômitos

Náuseas e vômitos são efeitos colaterais comuns da quimioterapia. O tratamento destes sintomas oferecerá uma melhora significativa na qualidade de vida geral dos pacientes com câncer.

A cannabis vem sendo usada há séculos para aliviar tanto náuseas quanto vômitos. Há evidências tanto anedóticas quanto baseadas em pesquisas que apoiam o uso de CBD para melhoria terapêutica em náuseas e vômitos induzidos por quimioterapia [9].

7. Melhora os Sintomas de Ansiedade e Depressão

Um diagnóstico de câncer pode ser extremamente estressante e muitas pessoas sofrem de depressão e ansiedade durante e após o tratamento.

Reduzir a ansiedade e a depressão ajuda muito o corpo a lutar e se recuperar.

O CBD tem efeitos calmantes bem conhecidos e tem demonstrado potencial terapêutico para uma ampla gama de doenças psiquiátricas, como transtornos de humor, ansiedade, depressão e transtorno bipolar. Ao exercer efeitos ansiolíticos (isto é, aliviar a ansiedade), doses baixas melhoram o humor e aumentam os níveis de serotonina no cérebro  [10].

Além de  ajudar a diminuir os sintomas de ansiedade, o óleo de CBD promove relaxamento e pode até mesmo ser usado para tratar os sintomas da depressão. Quando combinado com mudanças no estilo de vida, com o apoio de amigos e familiares e com muita contemplação pessoal, o CBD pode ser uma ferramenta extremamente poderosa para aumentar a capacidade do corpo de se recuperar de um diagnóstico de câncer.

Canabinoides e Câncer: Qual é o Negócio?

Existem mais de 80 fitocanabinóides diferentes encontrados na planta de cannabis.

Os cientistas identificaram os componentes biologicamente ativos na cannabis que são capazes de impedir o crescimento de células cancerígenas e ajudar o corpo a destruí-las [11].

Os dois componentes mais estudados são os produtos químicos delta-9-tetrahidrocanabinol (muitas vezes referido como THC) e o canabidiol (CBD).

O THC é o principal componente psicoativo da cannabis e, embora tenha efeitos benéficos de alívio da dor e anti-inflamatórios, também pode causar alguns efeitos colaterais indesejados, como comprometimento cognitivo, ansiedade, sedação, tontura, boca e/ou olhos secos, psicose e má coordenação motora.

O CBD é o principal componente não psicoativo da cannabis e tem demonstrado ações terapêuticas neuroprotetoras, anti-inflamatórias, ansiolíticas e antipsicóticas, sem os efeitos colaterais típicos de alteração da mente causados pelo THC.

Estudos recentes demonstraram que o CBD exibe atividade anticancerígena em muitos tipos de câncer, como colorretal (cólon), mama, pulmão, próstata, glioblastoma, melanoma, leucemia e neuroblastoma [5].

CDB e Quimioterapia

A quimioterapia não é seletiva e atacará tanto células cancerígenas quanto células normais, enquanto os canabinoides atacam apenas as células cancerígenas.

Há muito tempo o CBD foi aceito como um agente de sucesso no alívio dos efeitos colaterais da quimioterapia, como dor, náusea e vômito.

Recentemente, mais pesquisas abordaram seu uso na supressão de perda óssea relacionada à quimioterapia ou radioterapia, neuropatia periférica (dor no nervo) e cardiotoxicidade induzida por quimioterapia (dano ao músculo cardíaco) e nefrotoxicidade (danos aos rins) [12].

Usando o Óleo de CBD para o Câncer

Um diagnóstico de câncer pode ser aterrorizante e vem seguido de vários questionamentos. Um deles é: será que vou sentir algum – ou todos – os efeitos colaterais associados ao tratamento convencional do câncer?

Os efeitos colaterais dos pacientes podem variar muito. De perda de peso a fadiga, de neuropatia periférica a úlceras na boca, de bolhas a perda de cabelo.

Pacientes relataram que encontraram alívio dos sintomas e melhoraram a qualidade de vida ao tomar cannabis medicinal para tratamento do câncer.

Uma das qualidades mais importantes do CBD, relatada em anedotas, é que ele tem resultados notáveis ​​em muitos tipos diferentes de câncer, não é tóxico e causa poucos danos.

O método mais comum de se tomar o óleo de CBD é oralmente, na forma de uma pasta ou gotas, colocando a dose sob a língua para que seja absorvida facilmente na boca antes de ser ingerida.

O óleo de CBD também pode ser tomado em forma de cápsulas, topicamente, em bebidas ou feito em géis, tinturas e pastilhas.

Se você decidir experimentar o CBD, siga estas dicas:

1. Use Doses mais Altas (4g de CBD por dia)

A Mayo Clinic recomenda doses mais altas para inibir o crescimento do câncer.

Quanto de óleo devo tomar?

As concentrações de CBD variam entre as preparações e dependem das necessidades do indivíduo.

Certifique-se de ler as instruções de dosagem no rótulo do produto. Dosagens eficazes podem variar de alguns miligramas até um grama ou mais.

Saiba mais sobre a dosagem de óleo de CBD

2. Use Produtos de Alta Qualidade

No caso do câncer, você quer ter certeza de que os produtos que você está usando são os melhores possíveis, a fim de obter os efeitos desejados.

Em todos os casos das pesquisas citadas, foram utilizados óleos CBD da mais alta qualidade disponível. Portanto, é importante que nós também optemos pela melhor qualidade que conseguirmos encontrar se quisermos obter estes mesmos benefícios. Isso também garante que não estamos expostos a contaminantes que podem ser perigosos ou contraproducentes.

3. Use o CBD em formato de Óleo

A forma de óleo pode durar quatro horas ou mais no corpo, enquanto que a forma inalada dura apenas uma ou duas horas. Fumar também não é recomendado em ninguém com diagnóstico de câncer.

4. Tome o CDB Logo de Manhã

O CBD ajuda a aliviar a náusea e a melhorar o apetite, mas ele demora cerca de meia hora para fazer efeito. Portanto, é melhor começar a tomar o seu óleo CBD logo de manhã, repetindo a cada 3 ou 4 horas depois disso.

5. Monitore sua Dose

Isto é muito importante quando você começa a usar cannabis medicinal.

Comece com uma dose mais baixa e aumente-a em pequenas quantidades. A princípio, isso pode levar algumas tentativas e erros.

Manter um registro diário da quantidade e da hora do dia que você tomou o CBD pode te ajudar caso você precise ajustar sua dosagem ao longo do tempo.

Conclusão

O óleo de CBD claramente demonstrou ter muitos benefícios no alívio de sintomas em pacientes com câncer, desde acalmar a mente até aliviar náusea e dor.

Com benefícios terapêuticos significativos sem riscos ou efeitos colaterais substanciais, ele é uma opção promissora para qualquer paciente que esteja recebendo o tratamento contra o câncer.

Se você é novo em tomar cannabis medicinal, um bom conselho é começar com pouco, ir devagar e não ter medo de aumentar a dose para atender às suas necessidades.

Referências:

  1. Organização Mundial de Saúde (OMS). (2018). Cancer. Disponível em: http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/cancer Último acesso em 5 de novembro de 2018.
  2. Grotenhermen, F.; e Müller-Vahl, K. (2012). Das therapeutische Potenzial von Cannabis und Cannabinoiden. Deutsches Arzteblatt International, 109(29–30), 495–501. Disponível em: https://doi.org/10.3238/arztebl.2012.0495
  3. OMS. (2017). WHO | Cannabidiol (compound of cannabis). WHO. Disponível em: http://www.who.int/features/qa/cannabidiol/en/
  4. Massi, P.; Solinas, M.; Cinquina, V.; e Parolaro, D. (2013). Cannabidiol as potential anticancer drug. British Journal of Clinical Pharmacology, 75(2), 303–312. Disponível em: https://doi.org/10.1111/j.1365-2125.2012.04298.x
  5. Śledziński, P.; Zeyland, J.; Słomski, R.; e Nowak, A. (2018). The current state and future perspectives of cannabinoids in cancer biology. Cancer Medicine, 7(3), 765–775. Disponível em: https://doi.org/10.1002/cam4.1312
  6. Casey, S.; e Vaughan, C. (2018). Plant-Based Cannabinoids for the Treatment of Chronic Neuropathic Pain. Medicines, 5(3), 67. Disponível em: https://doi.org/10.3390/medicines5030067
  7. Johnson, J. R.; Burnell-Nugent, M.; Lossignol, D.; Ganae-Motan, E. D.; Potts, R.; e Fallon, M. T. (2010). Multicenter, Double-Blind, Randomized, Placebo-Controlled, Parallel-Group Study of the Efficacy, Safety, and Tolerability of THC:CBD Extract and THC Extract in Patients with Intractable Cancer-Related Pain. Journal of Pain and Symptom Management, 39(2), 167–179. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jpainsymman.2009.06.008
  8. Russo, E. B.; Guy, G. W.; e Robson, P. J. (2007) Cannabis, pain, and sleep: Lessons from therapeutic clinical trials of sativexρ, a cannabis-based medicine. Chemistry and Biodiversity. Wiley-Blackwell. Disponível em: https://doi.org/10.1002/cbdv.200790150
  9. Abrams, D. I. (2018). The therapeutic effects of Cannabis and cannabinoids: An update from the National Academies of Sciences, Engineering and Medicine report.  European Journal of Internal Medicine, 49, 7–11. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.ejim.2018.01.003
  10. Giacoppo, S.; Molino, G.; Galuppo, M.; e Mazzon, P. B. E. (Novembro, 2014). Cannabinoids: New promising agents in the treatment of neurological diseases.  Molecules. Multidisciplinary Digital Publishing Institute. Disponível em: https://doi.org/10.3390/molecules191118781
  11. Kenyon, J.; Liu, W.; e Dalgleish, A. (2018). Report of Objective Clinical Responses of Cancer Patients to Pharmaceutical-grade Synthetic Cannabidiol. Anticancer Research, 38(10), 5831–5835. Disponível em: https://doi.org/10.21873/anticanres.12924
  12. Ostadhadi, S.; Rahmatollahi, M.; Dehpour, A.-R.; e Rahimian, R. (2015). Therapeutic Potential of Cannabinoids in Counteracting Chemotherapy-induced Adverse Effects: An Exploratory Review. Phytotherapy Research, 29(3), 332–338. Disponível em: https://doi.org/10.1002/ptr.5265
  13. Nelson, K.; Walsh, D.; Deeter, P.; e Sheehan, F. (1994). A phase II study of delta-9-tetrahydrocannabinol for appetite stimulation in cancer-associated anorexia. Journal of palliative care.

Condições que Podem Responder ao Canabidiol