Baseado em evidências

O Guia Definitivo Sobre o Canabidiol (CBD)

O canabidiol (CBD) é o principal agente medicinal na planta de maconha/cannabis. Torne-se um especialista neste incrível suplemento natural de saúde.

Artigo escrito por
Justin Cooke , postado a 2 semanas atrás

  • Tabela de Conteúdo

O canabidiol (CBD) é um dos constituintes medicinais ativos da planta de cannabis.

Embora a cannabis tenha sido ilegal em grande parte do mundo pelos últimos 80 anos, ela está começando a ganhar o interesse do público por seus abrangentes benefícios à saúde na forma de óleos, cápsulas e pomadas de CBD.

O CBD é recomendado como suplemento natural de saúde para uma longa lista de sintomas e condições médicas, principalmente epilepsia, insônia, ansiedade, esclerose múltipla, condições da pele e dor.

E estes são apenas alguns exemplos. Para mais informações sobre os usos medicinais do CBD e da cannabis veja nosso banco de dados detalhado sobre condições que respondem ao CBD.

Neste guia definitivo sobre o CBD, vamos cobrir tudo o que você precisa saber sobre este composto tão versátil para começar a usá-lo com segurança e eficácia.

Nós vamos abordar os seguintes tópicos:

  • Como o CBD funciona
  • Como o CBD se compara a outras substâncias de sua classe
  • O que a pesquisa diz sobre os usos mais populares do CBD
  • Como escolher o produto certo de CBD
  • Como determinar que dose de CBD tomar
  • Quando evitar o CBD
  • Quanto tempo leva para o CBD começar a funcionar
  • Os efeitos colaterais mais comuns do CBD
  • Como distinguir os bons produtos de CBD dos ruins

O Que é Canabidiol?

O canabidiol é apenas um dos 421 produtos químicos contidos na planta de cannabis [1]. Ele é o principal componente medicinal da cannabis, oferecendo benefícios terapêuticos poderosos para inflamação, dor, ansiedade, tensão muscular, estresse, insônia e muito mais.

O CBD deve a maioria de suas vantagens terapêuticas à sua capacidade de interagir com o sistema endocanabinoide, cujo principal papel é apoiar a homeostase (ou equilíbrio) em todo o corpo. Veremos mais sobre isso abaixo.

Existem mais de 66 canabinoides diferentes na planta cannabis, cada um oferecendo um efeito único no corpo.

Geralmente, o canabinoide mais abundante na planta é o CBD, seguido pelo principal componente psicoativo, o THC (tetrahidrocanabinol). Outros canabinoides como CBC (canabicromeno), CBG (canabigerol) e CBN (canabinol) compõem a maior parte do perfil canabinoide restante.

O Que é o Sistema Endocanabinoide?

Todos os mamíferos possuem um sistema endocanabinoide – ou SEC.

O SEC consiste em uma série de receptores especializados que controlam as atividades intracelulares (atividades que acontecem dentro da célula). Este sistema está envolvido principalmente na manutenção da homeostase, bem como na proteção dos órgãos contra danos crônicos causados pela exposição a substâncias tóxicas ou inflamação.

Mas o que é a homeostase?, você pode estar se perguntando. A homeostase é a capacidade de um organismo de manter um ambiente interno consistente e equilibrado.

Tudo, desde a temperatura do corpo até o pH do sangue, precisa ser mantido dentro de uma janela estreita de controle para que permaneçamos saudáveis.

Talvez você esteja se perguntando como o SEC nos ajuda a manter a homeostase. Infelizmente, a resposta não é simples. Esse sistema usa uma série de mecanismos de feedback celular altamente complexos para manter os processos de equilíbrio, aumentando-os quando estão muito baixos e diminuindo-os quando estão muito altos.

A melhor maneira de pensar em como esse sistema funciona é comparando-o a um aviso de “lido” em uma mensagem de texto.

Deixe-me explicar.

Suponhamos que você envia uma mensagem de texto dizendo algo importante a alguém – por exemplo, onde vocês vão se encontrar depois do trabalho. Quando a pessoa abrir sua mensagem para lê-la, você verá uma notificação abaixo da mensagem informando que ela foi recebida e lida. Isso te avisa que você não precisa enviar a mesma mensagem novamente.

O sistema endocanabinoide funciona como avisos de “lido” para o corpo. Ele é projetado para melhorar a capacidade do corpo de se comunicar consigo mesmo para manter um controle mais rígido sobre a homeostase.

Sempre que uma mensagem é enviada de uma célula para outra, o sistema endocanabinoide envia uma mensagem de volta ao remetente para informar que a mensagem foi recebida e que as solicitações serão atendidas.

Onde o SEC Está Localizado?

O sistema endocanabinoide é encontrado no corpo todo.

Os receptores endocanabinoides são encontrados em praticamente todos os órgãos (até certo ponto), mas são mais abundantes no sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal) e no sistema imunológico.

Os receptores endocanabinoides desempenham um papel crucial na regulação do nosso sistema nervoso – e é por isso que o CBD é tão útil para condições como ansiedade e epilepsia. Eles são também um componente excepcionalmente importante do sistema imune – o que torna o CBD útil para reduzir a inflamação e apoiar distúrbios autoimunes, como esclerose múltipla ou esclerose lateral amiotrófica (ELA).

O corpo usa dois compostos principais, semelhantes a hormônios, para regular este sistema. Eles são conhecidos como endocanabinoides.

O primeiro endocanabinoide é um composto eicosanoide conhecido como anandamida, que é mais semelhante ao CBD e atua como um regulador geral para o SEC.

O outro endocanabinoide primário é o 2-AG, que é mais semelhante em seus efeitos ao THC e atua como ativador direto dos receptores endocanabinoides CB1.

Existem Dois Tipos de Receptores Endocanabinoides:

1. Receptores CB1

Os receptores CB1 são mais abundantes no sistema nervoso central – ou seja, na medula espinhal e no cérebro. Esses receptores são usados para controlar neurotransmissores, incluindo dopamina, serotonina e norepinefrina. Através de seus efeitos, os receptores CB1 desempenham um papel na regulação do humor, função sexual, formação e recuperação de memória e saúde cognitiva geral.

A maioria dos efeitos psicoativos do THC se deve à ativação dos receptores CB1 na medula espinhal e no cérebro, desencadeando uma liberação de serotonina.

2. Receptores CB2

Os receptores CB2 são encontrados em todos os tecidos periféricos, incluindo a pele, os músculos e as células do sistema imunológico. Eles são utilizados para regular a liberação de citocinas – pequenas moléculas mensageiras usadas para fazer a comunicação entre células do sistema imune no corpo todo.

Através do seu efeito, os receptores CB2 são utilizados para estimular a função imune durante a infecção e o câncer, e estão envolvidos no processo de inflamação e autofagia (processo de auto eliminação de células danificadas ou infectadas no corpo).

Como o CBD se Compara a Outros Canabinoides?

Existem pelo menos 66 canabinoides individuais na planta de cannabis. Cada um tem uma estrutura química semelhante e a capacidade de interagir com o sistema endocanabinoide.

Com tantos canabinoides na planta, usar um sistema de nomes abreviados pode ser muito útil.

Aqui estão alguns exemplos de canabinoides e suas siglas:

  • Canabidiol – CBD
  • Canabicromeno – CBC
  • Canabigerol – CBG
  • Canabinol – CBN
  • Tetrahidrocanabinol – THC
  • Tetrahidrocanabivarina – THCV

Agora, vamos comparar as semelhanças e diferenças entre o CBD e alguns dos outros canabinoides proeminentes.

1. CBD vs. THC

Embora os dois sejam muito semelhantes estruturalmente, estes dois canabinoides têm efeitos bem diferentes no corpo.

Como mencionamos, o THC é o principal motivo pelo qual a maconha oferece efeitos psicoativos quando é fumada.

Enquanto o CBD trabalha para prevenir a quebra dos endocanabinoides de ocorrência natural, como a anandamida que mencionamos acima, o THC ativa os receptores endocanabinoides diretamente.

Um dos efeitos colaterais disso é a liberação de serotonina no cérebro – que produz efeitos eufóricos e altera a mente. Curiosamente, os ingredientes ativos em cogumelos “mágicos” e no LSD (ácido) também devem seus efeitos alucinógenos à sua interação com a serotonina no cérebro.

O THC é moderadamente estimulante, o que pode ser útil para condições que envolvem fadiga ou baixa motivação. No entanto, esses mesmos efeitos podem tornar o THC um problema para pessoas com condições como ansiedade, insônia ou esquizofrenia.

O THC também é indesejável para quem procura receber os benefícios à saúde da cannabis sem os efeitos colaterais inebriantes.

A maioria dos produtos de CBD no mercado tem pouco ou nenhum conteúdo de THC, justamente para evitar esses efeitos inebriantes. Sempre verifique o rótulo para se certificar de que este é o caso antes de fazer sua compra.

2. CBD vs CBC

CBC significa canabicromeno. Ele é o terceiro canabinoide mais abundante na planta de cannabis. Como o CBD, o CBC não é psicoativo e tem um efeito relaxante no sistema nervoso central.

Algumas pesquisas preliminares inclusive sugerem que o CBC é tão útil quanto o CBD para o tratamento da ansiedade – talvez até mais. Entretanto, mais pesquisas são necessárias para confirmar isso.

3. CBD vs. CBG

CBG significa canabigerol. Esta é a molécula precursora para THC, CBD e CBC, entre outros canabinoides menores.

A planta de cannabis produz o CBG e depois o faz passar por outros estágios para se transformar em outros canabinoides, que dependerão da genética da planta e do ambiente de cultivo.

Plantas colhidas cedo são mais propensas a ter alto teor de CBG.

Foi demonstrado que o CBG bloqueia os efeitos do THC sobre a serotonina [2] e pode, portanto, reduzir muitos dos efeitos colaterais comuns do THC, incluindo euforia, ansiedade e paranoia.

Mais pesquisas são necessárias para entender o valor médico do CBG completamente – no momento, não há muito foco nesse canabinoide.

4. CBD vs. CBN

O CBN (canabinol) é o oposto do CBG – ele é produzido à medida que o CBD e o THC se degradam em compostos menores.

As plantas de cânhamo que são colhidas tarde terão mais CBN. Além disso, a cannabis que foi armazenada de forma inadequada (muito seca ou por muito tempo) também terá mais CBN.

Este canabinoide é levemente psicoativo em indivíduos sensíveis. Seus efeitos primários são fornecer uma sensação pesada e sedativa – o que o torna especialmente útil para o tratamento de insônia, estresse, transtorno obsessivo-compulsivo ou ansiedade.

Estamos começando a ver alguns produtos de CBD chegando ao mercado que também contém CBN como uma maneira de aumentar os efeitos sedativos do canabinoide em geral.

Como o CBD Funciona

O CBD é um potente composto medicinal que fornece suporte sintomático para uma longa lista de condições médicas e sintomas, incluindo epilepsia, ansiedade, dor crônica, náuseas, insônia, estresse, esclerose múltipla, doenças neurodegenerativas e distúrbios endócrinos.

Como um simples composto pode ter uma lista tão diversificada de benefícios médicos?

Como mencionamos antes, a resposta está na capacidade do CBD de interagir com um sistema no corpo que está envolvido com a homeostase – o SEC.

Isso significa que o CBD regula um sistema projetado para nos manter em equilíbrio, reduzindo os processos quando eles se tornam ativos demais e aumentando-os quando estão deficientes.

É um modo de ação muito diferente de outros medicamentos ou suplementos, que geralmente têm um efeito direcionado específico, aumentando ou diminuindo um determinado processo no corpo.

Vamos explorar o funcionamento do CBD com mais detalhes:

1. O CBD Aumenta os Níveis de Endocanabinoides

O CBD inibe uma enzima conhecida como FAAH (amida hidrolase de ácidos graxos). Esta enzima é responsável por quebrar endocanabinoides no interior das células.

Assim, O CBD proporciona um aumento em nossos endocanabinoides naturais 2-AG e anandamida [3].

Este é o principal mecanismo utilizado pelo CBD para fornecer suporte na homeostase. É por causa dele que se considera que o CBD oferece um “efeito equilibrador” ao invés de forçar uma reação no corpo em uma direção ou outra.

2. O CBD Ativa os Receptores Vaniloides de Dor

Quando você ativa os receptores vaniloides de dor, o resultado é um bloqueio dos sinais de dor que vão para o cérebro.

Os receptores vaniloides têm muitas responsabilidades no corpo humano, incluindo a regulação da transmissão da dor, inflamação e temperatura corporal. Existem várias outras ervas que interagem com esses receptores para produzir efeitos medicinais, incluindo gengibre, pimenta do reino e pimenta malagueta [14] – todos os quais são bem conhecidos por seus efeitos analgésicos.

O CBD ativa os receptores vaniloides TRPV1 diretamente, reduzindo a intensidade dos sinais de dor enviados ao cérebro e amplamente diminuindo a inflamação pelo corpo [4].

3. O CBD Aumenta a Atividade do GABA

O GABA (ácido gama-aminobutírico) é o nosso principal neurotransmissor relaxante. Ele age como um pedal de freio para o sistema nervoso: quando começamos a ir rápido demais (superestimulação mental), o GABA entra em cena para diminuir nosso ritmo.

O GABA é importante para a higiene do sono porque prepara a mente para adormecer à noite e é também necessário imediatamente após o estresse, sendo responsável por reverter este processo, diminuindo nossa frequência cardíaca, diminuindo a pressão arterial e nos permitindo relaxar e recuperar.

Quando o GABA não está funcionando adequadamente, podemos ficar ansiosos e ter dificuldade para desligar a resposta ao estresse ou adormecer – resultando em ansiedade e insônia.

A disfunção do GABA pode levar indiretamente à diminuição da imunidade, assim como a problemas digestivos se o problema persistir por longos períodos.

O CBD é um modulador alostérico do GABA. Este é um termo chique que significa que o CBD não ativa o receptor de GABA diretamente – ao invés disso, ele facilita que o GABA de ocorrência natural se ligue aos receptores por si mesmo [5].

O resultado é um aumento da sensação de relaxamento e redução dos sintomas de hiperestimulação no cérebro (ansiedade, insônia, transtorno do estresse pós-traumático (TEPT), etc.).

Este é também o modo de ação de muitos medicamentos controlados para a ansiedade, como os benzodiazepínicos (p ex. Xanax, Valium ou Klonopin).

Ao contrário dos benzodiazepínicos, no entanto, o CBD não é viciante. Não há sintomas de abstinência quando você para de tomar o CBD, mesmo após muitos anos de uso regular.

O Canabidiol é Usado Para Que?

Agora que abordamos o que é o CBD e como ele funciona, vamos analisar para que podemos usá-lo – começando pelos usos tradicionais da planta de cannabis.

Usos Tradicionais do CBD e da Cannabis

Durante a maior parte da história humana registrada, nós usamos a cannabis como remédio.

As primeiras referências conhecidas de cânhamo sugerem que ele era usado para tratar dores e ferimentos – o que, agora nós entendemos, dependente em grande parte do conteúdo de CBD da planta.

Não foi até 1600 que a cannabis se tornou popular para tratar distúrbios psicológicos, incluindo depressão, ansiedade, declínio cognitivo e esquizofrenia.

Nos séculos seguintes, a cannabis se tornou um tônico de saúde popular para uma longa lista de condições e sintomas médicos.

Alguns dos usos tradicionais mais comuns da cannabis incluem:

  • Asma
  • Epilepsia
  • Câncer
  • Infecções da pele
  • Inflamação
  • Esquizofrenia
  • Demência
  • Insuficiência hepática
  • Queimaduras
  • Dor

No início da década de 1920, a cannabis foi criminalizada em todo o mundo por seus efeitos psicoativos, colocando um fim a milhares de anos de uso medicinal.

Mas nos últimos 15 anos, o interesse público cresceu substancialmente em favor da cannabis como fonte de medicamentos. As leis agora estão sendo mudadas no mundo todo – com países como o Canadá, México e Uruguai já legalizando a planta para fins recreativos e medicinais.

Muitos países já têm programas exclusivos de cânhamo medicinal e os extratos de canabis com CBD e baixo teor de THC são agora legalmente acessíveis em grande parte do mundo.

O Que as Pesquisas Dizem Sobre o CBD

Hoje em dia, há alegações de que o CBD pode curar quase tudo – o que, obviamente, não é verdade. O CBD não é uma cura milagrosa e tem limitações quanto ao que pode tratar eficazmente.

Saber diferenciar entre alegações exageradas e recomendações razoáveis para o CBD pode ser difícil, especialmente com a quantidade limitada de pesquisas disponíveis.

Tenha em mente que o CBD era praticamente desconhecido para a ciência convencional há 20 anos e a pesquisa é um processo lento. Pode levar mais de 10 anos para que a pesquisa alcance as tendências de saúde pública.

Aqui estão alguns dos usos médicos da cannabis que têm mais suporte das evidências.

1. CBD e Inflamação

O CBD é um poderoso composto anti-inflamatório [15] – na verdade, seus efeitos anti-inflamatórios podem ser considerados um dos motivos pelos quais o CBD é tão eficaz para outras condições de saúde.

A inflamação crônica (de longo prazo) está associada a muitas condições médicas diferentes, incluindo mal de Parkinson, mal de Alzheimer, depressão, artrite, doença renal, esclerose múltipla e muito mais.

O CBD visa o processo inflamatório em múltiplos níveis. Foi demonstrado que ele inibe uma série de marcadores inflamatórios que trabalham juntos para impulsionar a inflamação no corpo.

Este amplo efeito anti-inflamatório torna o CBD útil para uma série de sintomas relacionados à inflamação, bem como um desencadeador de efeitos protetores para condições de saúde de longo prazo, incluindo doença hepática gordurosa, aterosclerose, doença renal e doença inflamatória intestinal.

2. CBD e Ansiedade

A ansiedade tem muitas causas potenciais – deficiências nutricionais, eventos traumáticos, estresse crônico, efeitos colaterais de medicamentos, uso de drogas recreativas, privação do sono ou distúrbios metabólicos, por exemplo. Essa diversidade de causas potenciais pode dificultar o tratamento da ansiedade.

O CBD oferece alguns benefícios exclusivos para o tratamento da ansiedade através de sua capacidade de aumentar a atividade do GABA, apoiar a qualidade do sono, reduzir a tensão muscular e melhorar os sintomas relacionados à saúde e inflamação intestinal que podem levar indiretamente aos sintomas de ansiedade.

Um ensaio clínico publicado em 2011 investigou os efeitos do CBD versus placebo no transtorno de ansiedade social em um modelo envolvendo falar em público como fonte de ansiedade [16]. Vinte e quatro participantes com transtorno de ansiedade social foram solicitados a falar na frente de uma câmera e pontuações de ansiedade basal foram tomadas antes e depois do evento.

O estudo constatou que aqueles no grupo de tratamento (tomando CBD) experimentaram uma rápida redução na pontuação de ansiedade antes e depois do evento de falar em público, em comparação com o controle com placebo.

Um ensaio clínico randomizado de fase 3 também está atualmente em andamento para explorar os efeitos de uma cápsula de óleo de CBD em pacientes com várias formas de transtornos de ansiedade e pânico. Este estudo é significativamente maior e, provavelmente, se tornará uma peça fundamental de evidência para o uso de CBD para ansiedade quando for concluído.

3. CBD e Epilepsia

Há muitas pesquisas sobre o uso de CBD para a epilepsia – com vários ensaios clínicos grandes já publicados sobre o tema. A epilepsia é também o foco de uma droga farmacêutica antiepiléptica baseado em CBD e THC que está chegando no mercado americano, conhecida como Sativex [8], assim como de medicamentos semelhantes, como o Epidiolex.

Um estudo de coorte de 2016, envolvendo 74 pacientes com epilepsia resistente ao tratamento, deu aos participantes um óleo de cânhamo enriquecido com CBD (razão de 20:1 entre CBD:THC) por uma média de 6 meses. 89% dos participantes deste estudo relataram uma redução no número de convulsões que sofreram [7].

Além disso, os pesquisadores notaram outras melhorias no comportamento dos pacientes, incluindo maior atenção, comunicação, habilidades motoras e qualidade do sono.

4. CBD e Dor

A dor é outra área com bastante pesquisas que apoiam as alegações feitas quanto aos usos do CBD. Existem algumas qualidades do composto que o tornam uma opção atraente para o controle da dor em detrimento de outras opções:

  1. O CBD não é fisicamente viciante
  2. O CBD é eficaz para diferentes tipos de dor
  3. O CBD oferece redução da dor através de vários mecanismos não relacionados

Um artigo de revisão recente de Ethan Russo – um pesquisador de cannabis medicinal – apresentou uma série de ensaios clínicos randomizados envolvendo preparações farmacêuticas de extratos de CBD e THC (Nabilone, Sativex e Marinol) e seu efeito sobre vários tipos de dor [9].

Os estudos listados na revisão mostram que CBD e THC podem ser usados para aliviar diferentes formas de dor, incluindo:

  • Dor neuropática (nervos)
  • Dor na esclerose múltipla
  • Neuralgia pós-herpética
  • Dor pós-operatória
  • Dor intratável
  • Dor na artrite reumatoide
  • Dor de lesão na medula espinhal
  • Dor no câncer
  • Dor no trato urinário associada à esclerose múltipla

5. CBD e Esclerose Múltipla

Uma das principais preparações farmacêuticas de canabinoide (Sativex) foi aprovada para uso como tratamento para esclerose múltipla pela FDA americana em 2018. Foi demonstrado que ela melhora os efeitos colaterais comuns da EM, incluindo espasmos musculares [10], disfunção da bexiga [11] e dor no nervo [12].

Foi demonstrado também que o CBD em particular fornece alguns efeitos preventivos sobre a EM – caracterizada como uma doença autoimune que envolve a destruição da mielina nos nervos pelas células T. O CBD inibe as células T problemáticas de migrarem para a microglia do cérebro, onde elas normalmente desencadeariam a inflamação e a degeneração da mielina [13].

Guia Para o Uso de CBD

Então você decidiu adicionar o CBD ao seu regime de saúde… mas você provavelmente ainda tem algumas perguntas que precisam ser respondidas. Por exemplo:

  • O cânhamo é o mesmo que a maconha – qual é a diferença?
  • Qual a diferença entre espectro completo e isolados de CBD? Qual deles devo usar?
  • Qual é o melhor formato de CBD?
  • Qual dose de CBD devo tomar?
  • O que esperar dos efeitos do CBD?
  • Quando devo evitar os suplementos com CBD?
  • O CBD tem efeitos colaterais? Quais são eles?
  • Como escolher um produto de qualidade?

Vamos a elas!

1. Cânhamo versus maconha

Um dos aspectos mais confusos dos produtos à base de cannabis é a diferença entre cânhamo e maconha. Essa é uma distinção importante a ser feita quando se considera a legalidade e os efeitos terapêuticos de um extrato de CBD.

Ambas as plantas são da mesma espécie, Cannabis sativa, mas seus hábitos de crescimento são radicalmente diferentes.

A maneira mais fácil de entender a diferença entre maconha e cânhamo é comparando-as a diferentes raças de cachorro.

Deixe-me explicar…

Todos os cachorros são da mesma espécie – Canis lupus familiaris – apesar de haver centenas de raças de cachorro claramente diferente. Tanto um chihuahua quanto um golden retriever são cães, apesar de haver uma quantidade enorme de diferenças físicas e comportamentais entre os dois.

Assim como os cães, o cânhamo e a maconha são diferentes o suficiente para garantir nomes e usos individuais, mas semelhantes o suficiente para que eles ainda possam se cruzar e produzir descendentes férteis.

A maior diferença nos hábitos de crescimento entre os dois é que o cânhamo não produz THC em quantidades significativas. Em vez disso, o cânhamo “concentra sua atenção” na produção de outros canabinoides, como CBD e CBC.

A maconha, por outro lado, foi seletivamente cruzada para aumentar seu conteúdo de THC. Estas plantas produzirão altas concentrações de THC e CBD, assim como qualquer outro canabinoide que a planta cannabis seja capaz de fabricar.

Comparação do Perfil Canabinoide do Cânhamo e da Maconha

(Esses perfis canabinoides são apenas exemplos. Os valores podem variar significativamente de uma linhagem para outra).

Portanto, os óleos de CBD feitos de maconha podem conter THC, enquanto os óleos de CBD feitos de cânhamo não contêm doses psicoativas de THC.

Nos Estados Unidos e na maior parte do mundo, o cânhamo é considerado legal devido à sua incapacidade de produzir THC (e, portanto, efeitos psicoativos), enquanto a maconha é restrita ou ilegal por seus efeitos colaterais inebriantes.

Essas leis podem variar significativamente dependendo do país em que você vive. Sempre verifique suas leis locais antes de comprar qualquer óleo de cânhamo ou de maconha para evitar problemas legais.

No Brasil, por exemplo, os produtos de cânhamo podem ser utilizados, mas não produzidos nem comercializados localmente. Para mais informações, leia nosso guia de compra de CBD no Brasil.

2. Espectro Completo vs. Isolados de CBD

Existem três filosofias principais quando se trata de decidir quais perfis canabinoides uma empresa deve usar em seus produtos:

A) Extratos de Espectro Completo

Como o nome indica, um extrato de espectro completo contém todos os canabinoides encontrados naturalmente na planta de cannabis. Haverá grandes quantidades de CBD com concentrações menores de CBC, CBG, CBN e outros canabinoides.

Os extratos de espectro completo são uma representação mais direta da planta de cannabis como um todo.

Juntamente com os vários canabinoides da planta, os extratos de espectro completo também fornecerão os terpenos, ligninas, polifenóis e vários outros fitoquímicos encontrados na planta cannabis – que têm efeitos medicinais próprios.

De um modo geral, um extrato de espectro completo é considerado mais potente que os isolados. Isto se deve a um conceito comumente conhecido como “efeito entourage”.

(Exemplo de teste de laboratório para um extrato de espectro completo – veja quantos canabinoides diferentes registram no teste)

B) Isolados de CBD

Os isolados de CBD são fabricados adicionando uma etapa extra de purificação ao processo de extração que resulta no extrato de espectro total.

Uma vez que os fitoquímicos são extraídos das folhas e flores da planta de cannabis uma cromatografia é usada para separar o CBD do resto dos produtos químicos.

Isso resulta em um extrato puro de CBD – livre de todos os outros fitoquímicos.

Os isolados de CBD formarão uma substância branca cristalina. Produtos feitos com eles tendem a ser mais baratos que os de espectro completo. Isso acontece porque, apesar de ter etapas extras envolvidas na fabricação, ele permite que as empresas usem cânhamo de baixa qualidade para produzir o extrato, já que a maioria dos outros constituintes e possíveis contaminantes serão removidos durante o processo de isolamento.

Os isolados tendem a exigir doses mais altas do que os extratos de espectro completo para produzir os mesmos resultados. Eles não têm os benefícios terapêuticos adicionais dos outros canabinoides e terpenos na planta de cannabis.

(Exemplo de teste de laboratório para um extrato baseado em isolado – veja como apenas o CBD aparece no teste)

C) Espectro Controlado

Há também um terceiro tipo de extrato de CBD que não é comumente discutido – chamado de extrato de espectro controlado. Algumas empresas também chamam esses extratos de ” espectro amplo “.

Eles são feitos primeiramente separando os canabinoides e terpenos em seus componentes individuais e depois de recombinando-os em proporções específicas. Eles imitam um extrato de espectro completo, mas não são tão diversos.

Esses extratos se parecerão muito com um extrato de espectro completo em um teste de laboratório, mas são formulados sinteticamente a partir de vários isolados (isolado de CBD, isolado de CBC, isolado de CBG, etc.).

Extratos de espectro controlado podem variar muito em seus efeitos, dependendo das proporções de canabinoides. Muitos fabricantes também adicionarão terpenos ao produto final.

(Exemplo de teste de laboratório para um extrato de espectro controlado – veja como alguns canabinoides aparecem enquanto outros não)

3. Como Decidir Qual Formato de CBD Usar

Existem tantos formatos diferentes de CBD no mercado que pode ser difícil decidir qual deles comprar.

Aqui estão alguns exemplos e quando você deve considerar o uso de cada um deles:

A) Óleos e Tinturas de CBD

Os óleos de CBD são o formato de produto de CBD mais comum. Eles têm várias vantagens sobre outros tipos de produtos:

  • São econômicos
  • Têm um longo prazo de validade
  • As doses podem ser ajustadas com precisão
  • Podem ser misturados com outros ingredientes para otimizar ainda mais o uso pretendido

O óleo de CBD pode ser usado para praticamente qualquer condição para a qual o CBD é indicado – incluindo condições de pele.

Se você não sabe por onde começar, os óleos de CBD são um lugar seguro.

Dependendo da condição para a qual você está usando o CBD, é melhor encontrar algo na faixa de potência entre média e alta por conta da versatilidade. Você pode tomar doses altas ou diluí-las para doses mais baixas, se necessário.

A maioria das pessoas consegue atingir uma dose precisa com um óleo de alta potência, mesmo se precisarem de doses relativamente pequenas.

Óleos com maior potência também são quase sempre a opção mais econômica – com média de US$ 0,09 por mg de CBD. Isso se compara a óleos de baixa potência que tendem a uma média de cerca de US$ 0,14 por mg de CBD.

B) Tópicos de CBD

Os produtos tópicos de CBD são ótimos para qualquer coisa que envolva a pele, músculos ou articulações. Eles entregam o CBD e outros ingredientes diretamente ao local afetado.

A maioria dos tópicos de CBD no mercado não tem uma concentração de CBD alta o suficiente para ser de qualquer valor real para tratar sintomas mais graves – no entanto, eles ainda podem ser úteis para sintomas leves ou no cuidado geral da pele.

Os melhores produtos tópicos de CBD terão uma potência de pelo menos 10 mg/mL de CBD e incluirão outros ingredientes benéficos, como outros extratos vegetais.

C) Cápsulas de CBD

As cápsulas de CBD podem ser usadas para as mesmas aplicações que os óleos e tinturas de CBD.

A diferença é que as cápsulas vêm em doses pré-estabelecidas de CBD, então não há necessidade de medir sua dose diária.

A desvantagem é que você tem menos controle sobre a dose que está tomando com as cápsulas e elas tendem a ser um pouco mais caras que os óleos equivalentes.

As cápsulas de CBD são ótimas para qualquer pessoa que queira tornar sua suplementação de CBD o mais simples possível. Você pode encontrar cápsulas de CBD em várias potências diferentes, dependendo do seu tamanho e uso pretendido.

D) Supositórios de CBD

Com este formato, o CBD será absorvido na corrente sanguínea através de capilares no reto. A maioria das pessoas, compreensivelmente, prefere as outras opções de CDB, já que são menos invasivas.

Mas os supositórios realmente brilham na hora de diminuir desconfortos digestivos. Condições incluindo doença inflamatória intestinal, síndrome do intestino irritável e vários outros distúrbios do trato digestivo podem se beneficiar muito com a introdução do CBD diretamente na fonte do problema.

Os supositórios de CBD são um produto especializado e tendem a custar mais que a média em comparação com outros produtos de CBD.

E) Óleos para Vaporizador e Canetas Vaporizadoras de CBD

Canetas vaporizadoras e óleos para vaporizador (e-líquidos) são uma maneira popular de tomar CBD.

Eles são convenientes, altamente portáteis e fornecem resultados de ação rápida. Você pode encontrá-los em todas as formas e tamanhos, em quase todos os sabores imagináveis. Você também pode encontrar opções que criam nuvens de vapor e outras que não, caso queira ser mais discreto.

Os óleos e as canetas vaporizadoras são ótimos para pessoas que precisam de alívio durante o dia todo ou simplesmente curtem vaporizar como uma maneira de tomar suas doses diárias de CBD.

A desvantagem deste método é que os vaporizadores ainda são muito recentes para sabermos a extensão dos efeitos negativos à saúde do seu uso no longo prazo.

F) Balas de Goma e Comestíveis de CBD

Os isolados de CBD podem ser adicionados aos comestíveis para fazer um suplemento de CBD mais agradável. Eles muitas vezes são adicionados a óleos de cozinha ou manteiga, e podem ser adicionados a balas de goma também. Este é um formato muito popular, pois tem um ótimo sabor e funciona basicamente como uma cápsula de CBD.

As balas de goma de CBD e outras formas de comestíveis de CBD são produtos excelentes para aqueles que tomam CBD casualmente para sintomas leves a moderados – mas não se deve depender deles para doses maiores. Tentar obter doses altas de CBD com balas de goma significa doses altas também de açúcar (o que não vai fazer grandes coisas pela nossa saúde).

G) Concentrados de CBD

Um concentrado de CBD é um extrato purificado de isolados de CBD ou de extratos de espectro completo.

Os isolados são CBD puro e geralmente vêm na forma de um pó branco cristalino. Esta forma de concentrado de CBD é referida como cristais de CBD.

Extratos de espectro completo contêm outros canabinoides, terpenos e outros fitoquímicos – que lhe dão uma aparência mais resinosa e cerosa. Esta forma de concentrado de CBD é referida como ceras ou dabs.

A maioria dos óleos, cápsulas e balas de goma de CBD são feitos a partir de um concentrado de CBD que foi diluído em um meio de transporte para facilitar a dosagem. Os concentrados podem, portanto, ser usados da mesma maneira que esses outros produtos, mas requerem mais cuidado e atenção para evitar tomar uma dose muito forte.

Os concentrados de CBD são uma ótima opção para pessoas que precisam de uma dose maior de CBD para encontrar alívio de seus sintomas. Eles também são uma boa opção para pessoas que querem fazer seus próprios tópicos, cápsulas, balas ou óleos de CBD.

4. Calculando a Dosagem

Um dos aspectos mais confusos quando se começa a tomar CBD pela primeira vez é descobrir a dose certa.

A dosagem é confusa porque pode ser diferente de uma pessoa para a outra.

Existem alguns fatores que podem influenciar na dose eficaz de CBD:

  1. Variabilidade genética no fígado pode afetar o metabolismo do CBD
  2. Alguns sintomas requerem doses diferentes para produzir resultados
  3. Um intestino com saúde reduzida pode absorver menos CBD
  4. Outros ingredientes no produto de CBD podem afetar a absorção
  5. Algumas pessoas são muito mais sensíveis ao CBD do que outras

Todos estes fatores podem ser unir para tornar a dosagem muito desafiadora para novos usuários – mas não precisa ser assim.

A maneira mais fácil de encontrar a dose certa é usando nossa tabela abaixo para encontrar uma estimativa geral do que você precisa. A partir daí, você pode passar alguns dias experimentando com esta dose para adaptá-la ao seu corpo individualmente.

Ingestão Diária Recomendada de CBD Baseada em Peso e Força Desejada (em mg de CBD)

Peso (kg)Força BaixaForça MédiaForça Alta
4510 mg30 mg60 mg
5613 mg38 mg75 mg
6815 mg45 mg90 mg
7917 mg52 mg105 mg
9020 mg60 mg120 mg
10222 mg67 mg135 mg
11325 mg75 mg150 mg

Quando você souber a dose que deve tomar por dia, você pode escolher dividi-la em duas ou três doses separadas. Você também precisa determinar quanto do produto de CBD que você tem será preciso para atingir essa dose.

Cápsulas e balas de goma são fáceis porque elas geralmente te dizem exatamente quanto CBD cada porção contém.

Os óleos são um pouco mais difíceis de avaliar, uma vez que primeiro você precisa determinar quanto CBD há por ml de óleo antes de calcular a dose que você precisa tomar para chegar àquela dose.

Para mais informações, consulte nosso guia completo sobre dosagem do CBD.

5. O Que Esperar ao Tomar CBD para Sintomas Específicos

Dependendo dos seus sintomas, você pode sentir alívio imediatamente depois de tomar o CBD. Outras vezes, você terá que ser paciente e continuar tomando os suplementos de CBD por alguns dias, semanas ou até meses até começar a notar qualquer sinal de melhora.

É importante ter uma expectativa realista ao usar qualquer medicamento ou suplemento para um sintoma ou condição médica em particular.

Pense assim: se seu sintoma levou muito tempo para se desenvolver, ele provavelmente vai requerer muito tempo para ir embora.

Da mesma forma, se seus sintomas apareceram rápido, eles tendem a desaparecer rápido.

Tempo Estimado até Que os Sinais de Alívio Sejam Notados com a Suplementação de CBD

Imediato   (mesmo dia)Curto Prazo   (dentro de 2 semanas)Longo Prazo   (mais de 2 semanas)
• Dor
• Artrite
• Ansiedade
• Epilepsia
• Glaucoma
• Inflamação
• Enjoo
• Transtornos do humor
• Enxaqueca
• Esclerose múltipla
• Náusea
• Dor neuropática
• TEPT
• Reumatismo
• Estresse
• Insônia
• Lesão da medula espinhal  
• TDAH
• Acne
• Dor
• Artrite
• Ansiedade
• Depressão
• Distúrbios endócrinos
• Epilepsia
• Inflamação
• Transtornos do humor
• Esclerose múltipla
• Dor neuropática
• Obesidade
• TOC
• TEPT
• Reumatismo
• Estresse
• Insônia
• Lesão da medula espinhal
• ELA
• Dependência química
• Mal de Alzheimer
• Asma
• Aterosclerose
• Autismo
• Transtorno bipolar
• Câncer
• Doença inflamatória intestinal
• Depressão
• Diabetes
• Distúrbios endócrinos
• Doença hepática gordurosa
• Fibromialgia Doenças cardíacas
• Mal de Huntington
• Doenças dos rins
• Síndrome metabólica
• Neurodegeneração
• Obesidade
• TEPT
• Mal de Parkinson
• Doenças priônicas
• Esquizofrenia
• Traumatismo cranioencefálico

6. Quando Evitar o CBD

O CBD não é pra todo mundo. Aqui estão algumas das circunstâncias mais importantes onde se evitar o uso do CBD.

A) Depressão Severa

O CBD é frequentemente sugerido como tratamento para a depressão. Embora haja um forte mérito para isso em casos de depressão leve a moderada, o CBD pode não ser adequado para aqueles com depressão crônica severa.

Uma grande meta-revisão analisou 57 estudos individuais envolvendo cannabis e depressão para identificar se o uso regular da cannabis estava ou não associado à depressão. O estudo concluiu que o uso prolongado de cannabis aumentava sim o risco de depressão [6].

Qualquer pessoa que esteja sofrendo de depressão severa deve evitar o uso do CBD ou de outros produtos de cannabis sem a supervisão de um profissional médico licenciado.

B) Medicamentos Benzodiazepínicos

Os medicamentos benzodiazepínicos, como Xanax, são utilizados para tratar sintomas da insônia e ansiedade. Eles funcionam ao aumentar os efeitos do neurotransmissor GABA – que é uma das maneiras que o CBD oferece seus efeitos ansiolíticos e sedativos.

Drogas como Xanax e Valium são significativamente mais potentes que o CBD nesse aspecto e podem resultar em efeitos colaterais graves, além de terem o potencial aditivo se combinados com outras drogas ou medicamentos que funcionam através do GABA.

Portanto, é recomendável que você evite usar maconha ou quaisquer produtos de CBD juntamente com benzodiazepínicos controlados.

C) Lugares Onde o CBD é Ilegal

Infelizmente, o CBD ainda é considerado ilegal em alguns países.

Estas leis estão mudando o tempo todo, então você deve olhar seu país, estado ou província individualmente para ficar atualizado.

Aqui vão algumas alternativas que você pode explorar se o caso acima se aplicar a você:

  • Kava (Piper methysticum) — para ansiedade, dor e insônia
  • Kratom (Mitragyna speciosa) — para dor, estresse e ansiedade
  • Açafrão-da-terra (Curcuma longa) — para dor e inflamação
  • Olíbano (Boswellia serrata) — para dor, inflamação e artrite
  • Ginkgo (Ginkgo biloba) — para neurodegeneração e doenças cardíacas/aterosclerose
  • Bacopa (Bacopa monnieri) — para neurodegeneração e transtornos neurológicos

7. Efeitos Colaterais Comuns do CBD

Apesar de o CBD ser considerado um suplemento muito seguro por corpos regulatórios como o FDA, ele pode causar alguns efeitos colaterais – especialmente em pessoas sensíveis ou quando tomado em doses altas.

Os Efeitos Colaterais do CBD Podem Incluir:

  • Ansiedade
  • Confusão mental
  • Alterações no apetite
  • Alterações no humor
  • Diarreia
  • Tontura
  • Sonolência
  • Boca Seca
  • Náusea
  • Vômitos

8. Leia Avaliações da Empresa e do Produto Antes de Comprar

A indústria de CBD permanece em grande parte não regulada. De certa forma, isso é bom, porque significa que os preços dos produtos de CBD podem se manter acessíveis para a maioria das pessoas e há bastante espaço para as empresas inovarem com produtos novos e interessantes.

No entanto, isso também significa que as empresas que só querem ganhar dinheiro fácil podem entrar de fininho e vender produtos de baixa qualidade sem qualquer resistência.

Na verdade, existe uma quantidade alarmante de fabricantes de CBD fazendo produtos com quantidades falsas de canabinoides ou cânhamo contaminado. É também comum que certas empresas peguem extratos de CBD não tão bons e os vendam com uma nova marca como produto premium.

Pode ser muito difícil identificar esses casos.

A melhor maneira de vetar uma empresa e seus produtos é lendo as avaliações de especialistas.

O Daily CBD já avaliou centenas de fabricantes – fornecendo informações qualitativas em medidas que incluem os princípios/valores da empresa, fonte/qualidade do cânhamo, formulação dos produtos, atendimento ao cliente, inovação da empresa e segurança dos produtos.

Uma Palavra Final Sobre o Canabidiol (CBD)

O CBD é um suplemento de saúde relativamente novo com muito a oferecer para certos sintomas e condições médicas.

Devido à complexidade do sistema endocanabinoide através do qual ele age, o CBD é muito mais complexo do que muitos outros suplementos de saúde. Este sistema está envolvido na manutenção do equilíbrio dos órgãos do corpo – também conhecida como homeostase. Isso dá ao CBD um efeito bidirecional muito difícil para os pesquisadores quantificarem.

Ainda assim, há muitos usos para este suplemento. A parte mais difícil é escolher quais produtos comprar e quanto tomar.

Usando nossas orientações acima, você vai poder reduzir dramaticamente o tempo que leva para encontrar a dose certa. Além disso, ao ler nossas avaliações de empresas e produtos, você vai evitar o desperdício do seu precioso dinheirinho em produtos de má qualidade.

É também importante controlar suas expectativas ao tomar o CBD – alguns sintomas podem diminuir imediatamente, outros podem levar algumas semanas ou até meses de uso regular antes que os benefícios comecem a aparecer.

Seja paciente e persistente ao tomar CBD. E sempre consulte seu médico, especialmente se você estiver tomando outros medicamentos ao mesmo tempo

Referências

  1. Sharma, P.; Murthy, P.; Bharath, M.M.S. (2012). Chemistry, Metabolism, and Toxicology of Cannabis: Clinical Implications. Iran J Psychiatry 2012; 7:4: 149-156
  2. Cascio, M.G.; Gauson, L.A.; Stevenson, L.A.; Ross, R.A.; e Pertwee, R.G. (2010). Evidence that the plant cannabinoid cannabigerol is a highly potent α2‐adrenoceptor agonist and moderately potent 5HT1A receptor antagonist. British journal of pharmacology, 159(1), 129-141.
  3. Nelson, K.; Walsh, D.; Deeter, P.; e Sheehan, F. (1994). A phase II study of delta-9-tetrahydrocannabinol for appetite stimulation in cancer-associated anorexia. Journal of palliative care.
  4. Bisogno, T.; Hanuš, L.; De Petrocellis, L.; Tchilibon, S.; Ponde, D.E.; Brandi, I.; … e Di Marzo, V. (2001). Molecular targets for cannabidiol and its synthetic analogues: effect on vanilloid VR1 receptors and on the cellular uptake and enzymatic hydrolysis of anandamide. British journal of pharmacology, 134(4), 845-852.
  5. Bakas, T.; Van Nieuwenhuijzen, P.S.; Devenish, S.O.; McGregor, I.S.; Arnold, J.C.; e Chebib, M. (2017). The direct actions of cannabidiol and 2-arachidonoyl glycerol at GABAA receptors. Pharmacological research, 119, 358-370.
  6. Lev-Ran, S.; Roerecke, M.; Le Foll, B.; George, T.P.; McKenzie, K.; e Rehm, J. (2014). The association between cannabis use and depression: a systematic review and meta-analysis of longitudinal studies. Psychological medicine, 44(4), 797-810.
  7. Tzadok, M.; Uliel-Siboni, S.; Linder, I.; Kramer, U.; Epstein, O.; Menascu, S.; … e Dor, M. (2016). CBD-enriched medical cannabis for intractable pediatric epilepsy: the current Israeli experience. Seizure, 35, 41-44.
  8. Guy, G.W.; e Stott, C.G. (2005). The development of Sativex® – a natural cannabis-based medicine. Em: Cannabinoids as Therapeutics (pp. 231-263). Birkhäuser Basel.
  9. Russo, E.B. (2008). Cannabinoids in the management of difficult to treat pain. Therapeutics and clinical risk management, 4(1), 245.
  10. Notcutt, W.; Langford, R.; Davies, P.; Ratcliffe, S.; e Potts, R. (2012). A placebo-controlled, parallel-group, randomized withdrawal study of subjects with symptoms of spasticity due to multiple sclerosis who are receiving long-term Sativex® (nabiximols). Multiple Sclerosis Journal, 18(2), 219-228.
  11. Brady, C.M.; DasGupta, R.; Dalton, C.; Wiseman, O.J.; Berkley, K.J.; e Fowler, C.J. (2004). An open-label pilot study of cannabis-based extracts for bladder dysfunction in advanced multiple sclerosis. Multiple Sclerosis Journal, 10(4), 425-433.
  12. Barnes, M.P. (2006). Sativex®: clinical efficacy and tolerability in the treatment of symptoms of multiple sclerosis and neuropathic pain. Expert opinion on pharmacotherapy, 7(5), 607-615.
  13. Kozela, E.; Lev, N.; Kaushansky, N.; Eilam, R.; Rimmerman, N.; Levy, R.; … e Vogel, Z. (2011). Cannabidiol inhibits pathogenic T cells, decreases spinal microglial activation and ameliorates multiple sclerosis‐like disease in C57BL/6 mice. British journal of pharmacology, 163(7), 1507-1519.
  14. Vennekens, R.; Vriens, J.; e Nilius, B. (2008). Herbal compounds and toxins modulating TRP channels. Current neuropharmacology, 6(1), 79-96.
  15. Burstein, S. (2015). Cannabidiol (CBD) and its analogs: a review of their effects on inflammation. Bioorganic & medicinal chemistry, 23(7), 1377-1385.
  16. Bergamaschi, M.M.; Queiroz, R.H.C.; Chagas, M.H.N.; De Oliveira, D.C.G.; De Martinis, B.S.; Kapczinski, F.; … e Martín-Santos, R. (2011). Cannabidiol reduces the anxiety induced by simulated public speaking in treatment-naive social phobia patients. Neuropsychopharmacology, 36(6), 1219