Baseado em evidências

CBD e Alzheimer: Pesquisa e Compreensão Atual

Os tratamentos disponíveis para o mal de Alzheimer podem até aliviar os sintomas da doença, mas não conseguem retardar ou reverter sua progressão. Estudos recentes demonstraram que o CBD tem efeitos positivos para os pacientes com mal de Alzheimer. Mas como isso funciona?

Artigo escrito por
Justin Cooke , postado a 5 dias atrás

O mal de Alzheimer é o distúrbio neurodegenerativo mais comum relacionado à idade [2].

Ele vem se tornando cada vez mais frequente ano após ano, causando uma qualidade de vida mais baixa às famílias e às pessoas que sofrem da condição.

Infelizmente, não há cura para o mal de Alzheimer. No entanto, nos últimos anos, tem havido muito alvoroço em torno do óleo de CBD como um tratamento para a doença.

O óleo de CBD faz jus a esse alvoroço? Como ele ajuda a retardar a progressão do mal de Alzheimer? O que as pesquisas dizem?

Continue lendo para descobrir tudo isso e muito mais.

  • Tabela de Conteúdo

O que é o Mal de Alzheimer?

O mal de Alzheimer é uma condição degenerativa crônica (de longo prazo) que afeta o cérebro.

Ele causa uma quebra gradual da substância cinzenta no cérebro, resultando em várias mudanças psicológicas, comportamentais e cognitivas.

A substância cinzenta compõe a parte externa do cérebro e é responsável pela maior parte do que vivenciamos como pensamento. É onde tomamos decisões, formamos lembranças e imaginações, e resolvemos problemas.

Os sintomas do mal de Alzheimer aparecem gradualmente em 4 estágios:

Estágio 1: 1 a 4 anos

  • Lapsos leves de memória
  • Aumento da irritabilidade

Estágio 2: 4 a 8 anos

  • Menor interesse em trabalho ou hobbies
  • Níveis mais baixos de energia
  • Perda de memórias recentes
  • Problemas de linguagem
  • Problemas leves de coordenação
  • Oscilações de humor
  • Irritabilidade
  • Dificuldade de navegação

Estágio 3: 8 a 12 anos

  • Discurso desconexo
  • Problemas frequentes de memória com lapsos maiores no tempo
  • Depressão
  • Dificuldades na fala
  • Incapacidade de navegar eficazmente
  • Irritabilidade e frustração severas
  • Problemas leves/moderados de coordenação
  • Paranoia

Estágio 4: mais de 12 anos (fim da vida)

  • Incapacidade de andar ou realizar atividades da vida normal como tomar banho ou usar o banheiro
  • Incapacidade de se comunicar efetivamente
  • Esquecimento constante
  • Incapacidade de reconhecer familiares ou amigos próximos
  • Confusão
  • Raiva / alterações de humor
  • Compreensão ficcional do mundo ao redor
  • Paranoia

Causa Possíveis Para o Mal de Alzheimer

Apesar de o mal de Alzheimer ser muito comum, ainda não temos uma compreensão completa do que causa a condição e não existe uma cura.

O canabidiol (CBD) da planta cannabis oferece um conjunto único de efeitos que podem ser usados para melhorar os sintomas da doença e retardar sua progressão. É importante lembrar, no entanto, que nada neste momento foi comprovado como cura da doença.

Aqui estão algumas das principais teorias por trás do que causa a doença.

Isso nos ajudará a entender como o CBD pode ser usado para a condição.

1. Placas Beta-Amiloides nos Neurônios

O beta-amiloide é uma substância pegajosa produzida no cérebro como um subproduto da atividade neuronal normal.

Geralmente, células especiais no cérebro (chamadas células gliais) que agem como uma equipe de coleta do lixo saem à noite para limpar estas placas, impedindo-as de se acumular e causar danos aos neurônios.

Infelizmente, à medida que envelhecemos, nossa equipe de limpeza não trabalha tão bem quanto costumava, permitindo que o beta-amiloide se acumule e forme placas espessas nas células nervosas.

Eventualmente, isso faz com que a célula nervosa morra.

À medida que mais dessas células começam a morrer, começamos a ver um aumento nos sintomas do mal de Alzheimer.

Isso faz com que a prevenção do acúmulo de beta-amiloide seja o principal objetivo do tratamento para os médicos que tentam tratar ou prevenir a doença.

2. Emaranhados de Proteína TAU

Outra causa do mal de Alzheimer é o acúmulo de outra substância no cérebro, conhecida como proteína TAU [3].

Estas proteínas TAU são pouco compreendidas e são na verdade estão associadas a muitas outras doenças. Qualquer condição que envolva problemas com estas proteínas é denominada taupatia.

As proteínas são os principais componentes da vida: grande parte das substâncias que nos compõem pode ser reduzida a uma proteína. Estas proteínas TAU são apenas um dos muitos tipos de proteínas que compõem o nosso corpo. Quando elas começam a se quebrar, elas formam “emaranhados” desorganizados.

Estes são essencialmente “nós” nas células nervosas que prejudicam sua capacidade de funcionar normalmente.

Existem alguns medicamentos experimentais atualmente sendo testados que têm como alvo estes emaranhados TAU, mas alguns dos candidatos mais promissores vêm do mundo natural, em produtos químicos à base de plantas [16].

3. Má Circulação Sanguínea no Cérebro

À medida que envelhecemos, o fluxo sanguíneo no cérebro pode começar a declinar.

O sangue traz nutrientes e oxigênio para as células. Ele também é responsável por se livrar do lixo e de subprodutos tóxicos.

É como viver em uma cidade.

Nossas células são as casas e o fluxo sanguíneo representa as estradas.

Para conseguir a água e a comida que precisamos, devemos construir uma estrada que conecte nossa casa ao resto da cidade. Nós também precisamos dessas estradas para que os caminhões de lixo venham buscar os descartes que deixamos de fora na noite anterior.

Se, por algum motivo, a estrada ficar bloqueada, começamos a morrer de fome e nosso lixo começa a se amontoar fora da casa.

Se isso acontecer por muito tempo, nós eventualmente morreremos de fome ou de uma infecção do lixo apodrecido.

Com o cérebro é a mesma coisa: se o fluxo sanguíneo for obstruído por muito tempo, os neurônios vão morrer de sobrecarga tóxica e falta de nutrientes ou oxigênio.

Isso pode estar relacionado aos processos patológicos que se desenvolvem durante o mal de Alzheimer.

Portanto, melhorar o fluxo sanguíneo no cérebro é um dos principais objetivos do tratamento usado em hospitais para tratar a doença.

4. Disfunção das Células Gliais

Você se lembra das células coletoras de lixo sobre as quais falamos anteriormente?

Estas são as células gliais, ou células da glia.

Elas são o tipo de célula mais abundante no cérebro, e com motivo.

Elas são encarregadas de manter a parte funcional do cérebro, os neurônios, trabalhando o melhor possível – e elas fazem isso lutando contra patógenos, mantendo os neurônios no lugar certo, removendo neurônios mortos, trazendo nutrientes e oxigênio, e muito mais!

Assim que as células gliais pararem de fazer seu trabalho, os neurônios começarão a se degradar, causando todo tipo de problemas na cognição, incluindo o mal de Alzheimer ou outras formas de demência.

Qualquer coisa que melhore a saúde e a função das células da glia vai ajudar muito a compensar os processos por trás do mal de Alzheimer.

5. Danos Oxidativos

Todos precisamos de oxigênio para sobreviver, mas você sabia que ele é também o principal motivo pelo qual envelhecemos?

O dano oxidativo se refere a um tipo especial de reação química conhecida como “oxidação”.

Nome apropriado, certo?

A oxidação acontece quando uma molécula rouba elétrons de outra molécula. Esta última começa então a se degradar e desmoronar.

Quando estas moléculas compõem o exterior das nossas células nervosas, isso se torna um problema grave.

O dano oxidativo ocorre sempre que compostos tóxicos como beta-amiloides, ácido lático, metais pesados ou outros compostos de radicais livres se acumulam fora da célula.

Com o tempo, o dano oxidativo pode ser um fator de risco para o  mal de Alzheimer.

O suporte antioxidante é um método comum de proteger o cérebro, assim como todos os outros órgãos do corpo humano. Este é um dos pontos fortes que o mundo natural nos oferece, pois algumas plantas tendem a possuir uma alta concentração de compostos antioxidantes.

Como o CBD Ajuda no Mal de Alzheimer?

O CBD oferece alguns benefícios interessantes para o Mal de Alzheimer.

Ao invés de ter apenas uma ação, como muitos fármacos, ele oferece uma ampla gama de efeitos que adereçam diferentes causas do Alzheimer. E é isso que o torna tão útil.

Estes efeitos combinados tornam os benefícios gerais muito mais fortes.

A ideia de usar vários mecanismos para alcançar um mesmo fim está bem estabelecida na comunidade médica e é a abordagem primária de tratamento para outras condições médicas complexas, como infecções resistentes a medicamentos e câncer.

1. O CBD Protege o Cérebro de Beta-Amiloides

Um estudo mostrou que células pré-tratadas com o CBD foram capazes de resistir aos efeitos prejudiciais do beta-amiloide [1].

Outros estudos descobriram que o CBD e alguns dos terpenos encontrados na planta de cannabis têm a capacidade de inibir uma enzima conhecida como acetilcolinesterase.

Esta enzima é responsável por quebrar um neurotransmissor conhecido como acetilcolina, que desempenha um papel fundamental no processo de formação e recuperação da memória. Ela é especialmente ativa em uma região do cérebro conhecida como hipocampo, que é a primeira área a mostrar sinais de dano durante o mal de Alzheimer.

Acredita-se que uma disfunção na acetilcolina desempenhe um papel na formação de placas beta amiloides [18].

Um dos principais métodos de tratamento para o mal de Alzheimer é melhorar a função da acetilcolina, o que pode ser feito reduzindo sua degradação. Isso pode retardar o acúmulo do beta-amiloide prejudicial e também melhora a função da memória, aumentando os níveis de acetilcolina em geral.

Muitos dos terpenos em óleos de CBD de espectro completo mostraram inibir a enzima que quebra a acetilcolina (chamada acetilcolinesterase) no hipocampo, incluindo:

  • Δ-3-careno [5]
  • 1,8-cineol [5]
  • Limoneno [5]
  • Timol [6]
  • γ-terpineno [6]

Vários canabinoides também demonstraram ter uma atividade específica no hipocampo, sugerindo que um mecanismo de suporte mais profundo também pode estar em jogo [11].

2. O Óleo de CBD Aumenta o Fluxo Sanguíneo no Cérebro

Um dos principais benefícios do óleo de CBD é sua capacidade de aumentar o fluxo sanguíneo para o cérebro.

Ele deve este efeito a muitos dos terpenos contidos nas plantas, incluindo:

  • Eucaliptol [12]
  • Óxido de cariofileno [13]
  • Borneol [14]

O próprio CBD também melhora o fluxo sanguíneo indiretamente ao melhorar a função do nosso principal endocanabinoide, a anandamida [15].

Este canabinoide de ocorrência natural está envolvido na regulação de nossas artérias e veias, ajudando a controlar o fluxo sanguíneo por todo o corpo.

3. Dano Oxidativo

Existem muitas causas diferentes de dano oxidativo, incluindo:

  • Exposição a metais pesados
  • Fumo
  • Fluxo baixo de sangue no cérebro
  • AVC
  • Mau funcionamento das células gliais
  • Inflamação

O óleo de CBD contém vários compostos antioxidantes diferentes que ajudam a impedir que esse dano sequer ocorra.

Os antioxidantes funcionam essencialmente se sacrificando para receber os danos dos radicais livres – assim nossas células não precisam fazer isso. Eles satisfazem a necessidade dos radicais livres de roubar elétrons para equilibrar sua carga.

Ao procurar um óleo de CBD com essas propriedades, é importante escolher um produto que contenha o espectro completo de terpenos, canabinoides e flavonoides da planta de cânhamo ou maconha.

Alguns dos principais compostos antioxidantes em plantas de cannabis incluem:

  • Terpenos (eucaliptol, γ-terpineno, α-Terpineol, pineno) [6, 8, 9]
  • Canabidiol (CBD) [4, 7]
  • Tetrahidrocanabinol (THC) [4]

Como Usar o Óleo de CBD para o Mal de Alzheimer

Começar a usar o óleo de CBD para o mal de Alzheimer é simples.

Você precisa encontrar um produto que contenha um espectro completo de terpenos, canabinoides e outros fitoquímicos.

A dose usual de CBD para tratar esta condição pode variar significativamente, no entanto, a maioria das pessoas vai começar em algum lugar em torno da marca de 300 mg por dia.

Dependendo de como isso afeta cada pessoa individualmente, a dose pode ser aumentada ou diminuída.

Vou Notar os Benefícios Imediatamente?

Os principais benefícios do óleo de CBD para o Mal de Alzheimer estão em retardar a progressão da doença.

Por esse motivo, os benefícios não serão tão claros quanto para outras condições, como dor ou inflamação.

Quando se trata da doença de Alzheimer, o óleo de CBD deve ser tomado todos os dias, juntamente com uma dieta equilibrada e exercício físico regular para realmente se obter os melhores efeitos.

A ideia é que o óleo de CBD tornará a progressão da doença de Alzheimer muito mais lenta, ajudando a aumentar a qualidade de vida a longo prazo.

Conclusão

Os óleos de CBD oferecem uma excelente gama de benefícios contra a progressão do mal de Alzheimer.

Os efeitos do óleo são principalmente de natureza preventiva, ajudando a retardar a progressão da doença e melhorar a qualidade de vida geral.

A melhor maneira de começar é escolhendo um dos nossos 3 melhores óleos de CBD para o mal de Alzheimer e depois toma-lo todos os dias.

Se você quiser evitar os efeitos psicoativos, recomendamos escolher um produto que tenha menos de 0,03% de conteúdo de THC.

Se você não se importa com a psicoatividade e vive em um país ou estado onde os óleos de THC são legais, é altamente recomendável usar um produto que contenha uma proporção de 1:1 entre CBD e THC para obter o máximo de benefícios.

Referências

  1. Iuvone, T.; Esposito, G.; Esposito, R.; Santamaria, R.; Di Rosa, M.; e Izzo, A. A. (2004). Neuroprotective effect of cannabidiol, a non‐psychoactive component from Cannabis sativa, on β‐amyloid‐induced toxicity in PC12 cells. Journal of neurochemistry, 89(1), 134-141.
  2. Koo, E. H.; Lansbury, P. T.; e Kelly, J. W. (1999). Amyloid diseases: abnormal protein aggregation in neurodegeneration. Proceedings of the National Academy of Sciences, 96(18), 9989-9990.
  3. Lee, V. M.; Balin, B. J.; Otvos, L.; e Trojanowski, J. Q. (1991). A68: a major subunit of paired helical filaments and derivatized forms of normal Tau. Science, 251 (4994), 675-678.
  4. Hampson, A. J.; Grimaldi, M.; Axelrod. J.; e Wink, D. Cannabidiol and ()Delta-9-tetrahydrocannabinol are neuroprotective antioxidants. Proc Natl Acad Sci USA. 1998;95(14):8268-73.
  5. Aazza, S.; Lyoussi, B.; e Miguel, M. G. (2011).  Antioxidant and antiacetylcholinesterase activities of some commercial essential oils and their major compounds. Molecules, 16(9), 7672-7690.
  6. Öztürk, M. (2012). Anticholinesterase and antioxidant activities of Savoury (Satureja thymbra L.) with identified major terpenes of the essential oil. Food chemistry, 134(1), 48-54.
  7. Hampson, A. J.; Grimaldi, M.; Lolic, M.; Wink, D.; Rosenthal, R.; e Axelrod, J. (2000). Neuroprotective Antioxidants from Marijuana. Annals of the New York Academy of Sciences, 899(1), 274-282.
  8. Bicas, J. L.; Néri-Numa, I. A.; Ruiz, A. L.T. G.; De Carvalho, J. E.; e Pastore, G. M. (2011). Evaluation of the antioxidant and antiproliferative potential of bioflavors. Food and Chemical Toxicology, 49(7), 1610-1615.
  9. Perry, N. S.; Bollen, C.; Perry, E. K.; e Ballard, C. (2003). Salvia for dementia therapy: review of pharmacological activity and pilot tolerability clinical trial. Pharmacology biochemistry and behavior, 75(3), 651-659.
  10. Carta, G.; Nava, F.; e Gessa, G. L. (1998). Inhibition of hippocampal acetylcholine release after acute and repeated Δ 9-tetrahydrocannabinol. Brain research, 809(1), 1-4. Chicago
  11. Gessa, G. L.; Mascia, M. S.; Casu, M. A.; e Carta, G. (1997). Inhibition of hippocampal acetylcholine release by cannabinoids: reversal by SR 141716A. European journal of pharmacology, 327(1), R1-R2.
  12. Juergens, U. R.; Stöber, M.; Schmidt-Schilling, L.; Kleuver, T.; e Vetter, H. (1998). Antiinflammatory effects of eucalyptol (1.8-cineole) in bronchial asthma: inhibition of arachidonic acid metabolism in human blood monocytes ex vivo. European journal of medical research, 3(9), 407-412.
  13. Lin, W. Y.; Kuo, Y. H.; Chang, Y. L.; Teng, C. M.; Wang, E. C.; Ishikawa, T.; e Chen, I. S. (2003). Anti-platelet aggregation and chemical constituents from the rhizome of Gynura japonica.  Planta Medica, 69(08), 757-764.
  14. Li, Y. H.; Sun, X. P.; Zhang, Y. Q.; e Wang, N. S. (2008). The antithrombotic effect of borneol related to its anticoagulant property.  The American Journal of Chinese Medicine, 36(04), 719-727.
  15. Garrido, G. E.; Wichert-Ana, L.; Guarnieri, R.; Ferrari, L.; e McGuire, P. K. (2004). Effects of cannabidiol (CBD) on regional cerebral blood flow. Neuropsychopharmacology, 29(2), 417.
  16. Calcul, L.; Zhang, B.; Jinwal, U. K.; Dickey, C. A.; e Baker, B. J. (2012). Natural products as a rich source of tau-targeting drugs for Alzheimer’s disease. Future medicinal chemistry, 4(13), 1751-1761.
  17. Frisoni, G. B.; Testa, C.; Zorzan, A.; Sabattoli, F.; Beltramello, A.; Soininen, H.; e Laakso, M. P. (2002). Detection of grey matter loss in mild Alzheimer’s disease with voxel based morphometry. Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry, 73(6), 657-664.
  18. Zhang, X. (2004). Cholinergic activity and amyloid precursor protein processing in aging and Alzheimer’s disease. Current Drug Targets-CNS & Neurological Disorders, 3(2), 137-152.

Condições que Podem Responder ao Canabidiol