Baseado em evidências

CBD e Asma: Pesquisa e Compreensão Atual

Por ter poderosos benefícios anti-inflamatórios bem comprovados, o CBD pode ser uma boa opção para o tratamento dos sintomas da asma. Descubra aqui como ele faz isso e como você pode usá-lo de forma segura.

Artigo escrito por
Justin Cooke , postado a 5 dias atrás

O CBD vem se posicionando no primeiro plano para o tratamento de numerosas condições inflamatórias, o que levou pesquisadores a começarem a explorar os benefícios que este versátil fitocanabinoide pode oferecer aos pacientes com asma.

Em 2015, 358 milhões de pessoas sofreram com asma no mundo todo [1].

Há três décadas, este número era de “apenas” 183 milhões de pessoas, o que sugere que os casos de asma estão aumentando.

Com esta condição debilitante se tornando cada vez mais comum, os pesquisadores médicos estão freneticamente procurando novos tratamentos eficazes para a doença.

Aqui, vamos dar uma olhada na pesquisa atual sobre o CBD e seu papel na asma. Nós discutiremos como usar o CBD de forma eficaz e o que você pode fazer para maximizar os benefícios.

  • Tabela de Conteúdo

Resumo: Usando o CBD para a Asma

A asma é uma doença inflamatória das vias aéreas que dificulta a respiração. Dependendo de sua gravidade, ela pode interferir na qualidade de vida das pessoas afetadas, podendo inclusive ser fatal.

A asma causada por alergias é particularmente perigosa porque leva à produção excessiva de muco nas vias aéreas, o que impede ainda mais a entrada de ar nos pulmões

O CBD e outros fitocanabinoides podem ajudar a reduzir a gravidade da asma de várias maneiras diferentes.

Os efeitos do CBD na asma:

  • Inibe a resposta inflamatória associada tanto à asma alérgica quanto à asma não alérgica
  • Resiste à migração de células imunes para o tecido inflamado das vias aéreas
  • Alivia sintomas de condições médicas relacionadas, como insônia, ansiedade e transtornos do humor
  • Relaxa os músculos das vias aéreas e tórax, reduzindo os sintomas

Outros canabinoides, como o THC, fornecem benefícios poderosos contra a asma. Alguns dos efeitos do THC em relação à asma incluem:

  • Relaxa as vias aéreas para permitir um melhor fluxo de oxigênio (broncodilatador)
  • Reduz vários marcadores inflamatórios diferentes associados à asma
  • Relaxa os músculos do tórax e das vias aéreas, reduzindo os sintomas

Dicas para tirar o proveito máximo do uso de extratos de CBD/cannabis para a asma:

  1. Sempre consulte o seu médico antes de usar CBD para tratar asma
  2. Se os sintomas da asma se tornarem graves, é importante não confiar no CBD para aliviá-los. Sempre consulte um médico em caso de emergência
  3. Comece com uma dose muito baixa de CBD e aumente-a gradualmente para se certificar de que você não tem alergias a qualquer substância no produto
  4. Sempre use o CBD juntamente com outras formas de tratamento, como mudanças na dieta e no estilo de vida
  5. Se for usar o CBD em crianças, sempre consulte um pediatra antes de iniciar a suplementação e use apenas extratos de CBD feitos a partir de isolado
  6. Só use o CBD por via oral – evite fumar ou vaporizar para obter a sua dose de CBD

O Que é a Asma?

A asma é uma condição que envolve inflamação das vias aéreas e que causa dificuldades para respirar.

Os sintomas da asma podem ser de leves a potencialmente letais. A asma pode estar presente o tempo todo ou aparecer na forma de “ataques” esporádicos quando o indivíduo é exposto a certos gatilhos, como exercício ou alergias.

A asma alérgica é considerada uma condição atópica – ou seja, que envolve outras condições relacionadas à alergia, como dermatites e alergias alimentares.

Indivíduos atópicos tendem a ser hiper-reativos a uma série de alimentos e compostos ambientais. Sua prevalência é mais comum em países desenvolvidos, afetando até 1 em cada 5 pessoas [4].

Não há cura para a asma. O tratamento visa reduzir a intensidade e a frequência dos ataques e identificar e remover os gatilhos.

Ataques de Asma

Os ataques de asma são períodos temporários de aumento de sintomas. Na maioria dos casos, algo desencadeia o ataque – como poeira, fumaça de cigarro, exercício ou alergias alimentares.

Durante um ataque de asma, na medida em que a via aérea se torna inflamada, a quantidade de ar que consegue passar pelos bronquíolos é reduzida, exigindo mais esforço para dar ao corpo o oxigênio de que necessita.

Os ataques podem durar de alguns segundos a alguns dias.

Sintomas de Asma

  • Falta de ar
  • Chiado
  • Sensação de aperto no peito
  • Tosse crônica
  • Fadiga
  • Não acordar descansado

Sinais de emergência durante um ataque de asma

  • Sintomas ocorrem rapidamente
  • Incapacidade de falar
  • Respiração pesada
  • Respiração extremamente curta
  • Ausência de sons no peito
  • Não há alívio com o uso de inalador
  • Lábios azuis

Embora toda asma envolva inflamação das vias aéreas, existem alguns tipos diferentes de asma, dependendo da causa:

Diferentes Tipos de Asma

1. Asma alérgica

As alergias são causadas quando o sistema imune é ativado por compostos específicos. Podemos desenvolver sintomas de asma a partir dos mesmos alérgenos que nos dão coriza, olhos lacrimejantes e coceiras na pele.

Quando somos expostos a esses compostos, o sistema imune identifica os compostos e soa o alarme. Então, células especializadas conhecidas como mastócitos liberam mediadores químicos como a histamina, que causam a maioria dos efeitos colaterais negativos.

Nossas vias aéreas que levam aos pulmões contêm muitas destas células imunes – seu trabalho é garantir que nenhum organismo infeccioso entre nos pulmões, onde poderiam se proliferar e nos deixar doentes. Durante um ataque de asma alérgica, são essas células imunes (que estavam lá para nos manter seguros) que pioram a condição.

A histamina liberada pelos mastócitos faz com que a via aérea se encha de líquido e se feche.

2. Asma não alérgica (intrínseca)

Outras formas de asma podem ocorrer sem a ativação de mastócitos durante uma reação alérgica.

Nossa via aérea é controlada pelo sistema nervoso central (SNC). Quando nos exercitamos, por exemplo, o SNC torna as vias aéreas mais largas para permitir a entrada de mais ar nos pulmões. Quando não precisamos mais desse ar extra (ou seja, quando voltamos ao repouso), o SNC “encolhe” as vias aéreas para preservar a perda de calor e manter os organismos infecciosos fora dos pulmões na medida do possível.

Em alguns casos de asma não alérgica, a causa da doença é mediada por uma disfunção do SNC que leva a um estreitamento das vias aéreas. Medicamentos ou exercícios podem causar este tipo de asma.

Causas de asma não alérgica (intrínseca) incluem:

  • Asma induzida por aspirina
  • Asma com obstrução fixa de fluxo de ar
  • Asma induzida por exercício
  • Asma variante com tosse
  • Asma ocupacional
  • Asma noturna
  • Asma com obesidade

Gatilhos comuns da asma

  • Pelos de animais
  • Drogas/medicamentos
  • Exercício
  • Resfriado/gripe
  • Sulfitos
  • Inalação de fumaça
  • Poeira
  • Pólen
  • Ar frio
  • Alérgenos transportados pelo ar
  • Alérgenos alimentares

Medindo a Gravidade da Asma

Os médicos frequentemente medem a gravidade dos sintomas de asma usando uma escala de quatro passos.

Passo 1: Asma Intermitente

Os sintomas de asma aparecem em menos de dois dias por semana e não interrompem as atividades diárias. Este nível geralmente envolve surtos de curta duração e raramente está associado a sintomas noturnos.

Etapa 2: Asma Persistente Leve

Os sintomas ocorrem em mais de dois dias por semana, mas interferem apenas ligeiramente nas atividades normais. Este nível de asma pode ou não envolver crises noturnas ocasionais.

Etapa 3: Asma Persistente Moderada

Os sintomas ocorrem diariamente e interferem nas atividades diárias. Este nível de asma envolve crises noturnas e diurnas frequentes, e geralmente requer medicamentos para manter os sintomas sob controle.

Passo 4: Asma Persistente Grave

Os sintomas ocorrem ao longo do dia e podem interferir muito nas atividades diárias. Asmáticos que experimentam sintomas neste nível muitas vezes têm dificuldade de realizar atividades físicas e frequentemente sofrem de surtos noturnos.

Opções de Tratamento Para a Asma

  • Corticoides
  • Agonistas dos receptores adrenérgicos (Salbutamol)
  • Medicamentos anticolinérgicos (brometo de ipratrópio)
  • Epinefrina
  • Antagonistas dos receptores de leucotrieno
  • Estabilizadores de mastócitos

Guia Para o Uso do CBD para Asma

Existem muitas causas diferentes para a asma, mas a causa subjacente dos sintomas permanece mais ou menos a mesma: inflamação e excesso de produção de muco nas vias aéreas que levam aos pulmões.

Portanto, o tratamento é semelhante para diferentes tipos de asma, com uma das principais opções de tratamento sendo os compostos anti-inflamatórios. O CBD é um anti-inflamatório particularmente forte, exercendo efeitos benéficos sobre vários tipos de inflamação.

Até o momento, não há estudos clínicos sobre os efeitos do CBD em pacientes asmáticos para confirmar o quão eficaz ele é em pacientes reais, mas há muitos estudos que destacam os mensageiros inflamatórios especificamente inibidos pelo CBD que desempenham um papel na regulação dos ataques de asma (mais sobre isso na próxima seção).

O CBD é um suplemento promissor para reduzir as causas subjacentes da asma.

Mas não se esqueça: é importante falar com o seu médico antes de usar o CBD e evitar fumar ou vaporizar a cannabis como sua fonte de CBD. Escolha formatos alternativos – como cápsulas, óleos, tinturas ou comestíveis.

O Que as Pesquisas Dizem?

Em 2015, foi publicado um estudo em animais envolvendo ratos asmáticos que foram tratados com 5 mg/kg de CBD por dois dias. Após o término do tratamento, os pesquisadores mediram a atividade inflamatória nos ratos. Todos os marcadores inflamatórios, exceto pela IL-10, foram reduzidos substancialmente – indicando que o CBD foi capaz de diminuir os fatores inflamatórios que causavam os sintomas da asma [3].

A asma causada por reação alérgica envolve um aumento de células imunes reativas específicas (citocinas Th2) [5]. Pesquisas mostram que o CBD age especificamente sobre muitas das citocinas Th2, incluindo IL-6 [6], IL-2, TNF-a, IFN-c, IL-6, IL-12 e IL-17 [6, 7].

Mensageiro InflamatórioPapel na Reação da AsmaEfeitos do CBD
TNF-aFortemente envolvido com reações graves de asma↓↓↓
IL-6Estimula a atividade das células T↓↓↓
IL-4Estimula a atividade da IgE↓↓↓
IL-13Aumenta a produção de muco↓↓↓

 Isso significa que os efeitos anti-inflamatórios do CBD atuam em vários níveis diferentes da resposta inflamatória. Abordagens multinível de tratamento, como essa, são muito mais eficazes do que os tratamentos que se concentram em apenas um aspecto da inflamação.

Mesmo tratamentos convencionais usam opções diversas, como inaladores esteroides e medicamentos orais.

Quanto CBD Devo Tomar?

Descobrir a dose certa de CBD para usar contra os sintomas da asma requer um pouco de tentativa e erro. Isso acontece porque cada pessoa responde ao CBD de maneira diferente.

A maioria das pessoas toma uma dose de CBD de força média ou alta para obter alívio dos seus sintomas.

No entanto, é aconselhável começar com uma dose menor no início e aumentá-la gradualmente ao longo do tempo para garantir que você não tem alergias ao produto que está usando – o que poderia acabar piorando os sintomas da asma.

Se você é especialmente propenso a alergias, é recomendável testar o produto antes.

Comece colocando um pouco de óleo ou tintura nas costas de uma mão. Depois de cerca de uma hora, se você não demonstrar nenhum sinal de alergia, pode começar com uma quantidade muito pequena do produto de CBD na boca. Se nenhum efeito colateral ou alergia ocorrer após uma hora, você pode começar com a dose de força baixa.

Nos dias que se seguirem, tente aumentar a dose gradualmente até encontrar alívio dos seus sintomas.

Cálculo da Dosagem de Força de CBD por Peso

Força BaixaForça MédiaForça Alta
1 mg a cada 4,5 kg6 mg a cada 4,5 kg12 mg a cada 4,5 kg

Ingestão Diária Recomendada de CBD Baseada em Peso e Força Desejada (em mg de CBD)

Peso (kg)Força BaixaForça MédiaForça Alta
4510 mg30 mg60 mg
5613 mg38 mg75 mg
6815 mg45 mg90 mg
7917 mg52 mg105 mg
9020 mg60 mg120 mg
10222 mg67 mg135 mg
11325 mg75 mg150 mg

Potenciais Efeitos Colaterais do CBD

Embora esteja comprovado que o CBD é extremamente seguro mesmo em doses altíssimas, é importante saber sobre os potenciais efeitos colaterais que ele pode produzir. Cada pessoa é diferente e o que funciona para uma nem sempre funciona da mesma maneira para a outra.

Aqui estão alguns dos efeitos colaterais mais comuns do CBD:

  • Supressão do apetite
  • Diarreia
  • Sonolência
  • Boca seca
  • Tontura
  • Frequência cardíaca baixa
  • Sedação

Veredito Final: Usando o CBD para Asma

Embora existam muitas causas diferentes para a asma, ela sempre resulta de inflamação nas vias aéreas, restringindo a quantidade de ar que pode alcançar os pulmões.

O CBD é um suplemento útil para os asmáticos graças ao seu papel no combate à inflamação em vários níveis diferentes da cascata inflamatória.

Recomendamos discutir a suplementação com o CBD com o seu médico antes de tomá-lo por conta própria. Também é importante garantir que você não tem alergias ou reações adversas ao CBD antes de tomar doses maiores – comece com pouco e aumente a dose gradualmente ao longo do tempo.

E bom proveito!

Referências

  1. Vos, T.; Allen, C.; Arora, M.; Barber, R. M.; Bhutta, Z. A.; Brown, A.; … e Coggeshall, M. (2016). Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 310 diseases and injuries, 1990–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015. The Lancet, 388 (10053), 1545-1602.
  2. Lozano, R., Naghavi, M., Foreman, K., Lim, S., Shibuya, K., Aboyans, V.; … e AlMazroa, M. A. (2012). Global and regional mortality from 235 causes of death for 20 age groups in 1990 and 2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. The Lancet, 380 (9859), 2095-2128.
  3. Vuolo, F.; Petronilho, F.; Sonai, B.; Ritter, C.; Hallak, J. E.; Zuardi, A. W.; … e Dal-Pizzol, F. (2015). Evaluation of serum cytokines levels and the role of cannabidiol treatment in animal model of asthma. Mediators of inflammation, 2015.
  4. Laughter, D.; Istvan, J. A.; Tofte, S. J.; e Hanifin, J. M. (2000). The prevalence of atopic dermatitis in Oregon schoolchildren. Journal of the American Academy of Dermatology, 43 (4), 649-655.
  5. Holgate, S. T. (2008). Pathogenesis of asthma. Clinical & Experimental Allergy, 38 (6), 872-897.
  6. Burstein, S. (2015). Cannabidiol (CBD) and its analogs: a review of their effects on inflammation. Bioorganic & medicinal chemistry, 23 (7), 1377-1385.
  7. Hegde, V. L.; Nagarkatti, P. S.; e Nagarkatti, M. (2011). Role of myeloid-derived suppressor cells in amelioration of experimental autoimmune hepatitis following activation of TRPV1 receptors by cannabidiol. PloS one, 6 (4), e18281.

Condições que Podem Responder ao Canabidiol